Tuesday, December 14, 2010

Bicicletas, Bolos, e Outras Alegrias, by Vanessa da Mata

Bicicletas, Bolos e Outras Alegrias is Vanessa da Mata’s fourth studio album and one of the best Lusophone records I’ve heard all year. Once again, the production quality on this album is top notch, even more so than Sim, and listening to them on quality headphones is an experience in and of itself. It’s often said that MPB (Brazilian Popular Music) is a bit stale and repetitive but this is one of those albums that comes out every six months or so and stuns us all. It highlights Vanessa’s uniqueness and freedom in a way that Sim was unable to do. This record has rock, reggae, samba, bossa, a dash of electronica and a lot of attitude.

I have the habit of rating an album’s standout tracks on that star-rating feature on iTunes and I ended up starring six songs on this album, which comes out to half the album. I’m featuring three of them here in the hopes that you’ll buy this album; three songs that I feel display the diverse musical range of this piece of work. The energetic and rock-inducing O Tal Casal is the CD’s first song, one that immediately grabs your attention. As Palavras is the inevitable reggae track of a Vanessa da Mata album, a soft, lyrical, laid back roots reggae joint that slows things down a bit after the album’s rampant opening tracks. The albums title track, Bicicletas, Bolos e Outras Alegrias is my favorite one and by its pulsating, vigorous rhythm it’s easy to see why. Crank it up, you’ll understand.

O Tal Casal
As Palavras
Bicicletas, Bolos e Outras Alegrias

Bicicletas, Bolos e Outras Alegrias é o quarto disco de estúdio da Vanessa da Mata e um dos melhores álbuns lusófonos que ouvi este ano. Mais uma vez a qualidade de produção está exemplar, ainda mais que o Sim, e ouvindo estas músicas em headphones de verdade é uma experiência por si só. Há muitos que dizem que ás vezes a MPB é monótona e repetitiva mas quase que cada seis meses saem álbuns como este e nos derretem a todos. Sinto-me, sei lá, mais próximo a esta artista por causa deste álbum...creio que este é talvez o melhor dela, e com certeza o mais maduro. Sinto que ela está mais livre, mais solta. O álbum tem elementos de rock, reggae, samba, bossa, uma pitada de electronica e bué de atitude.

Tenho o hábito de avaliar músicas no iTunes dando-lhes um número determinado de estrelas e com este álbum reparei que seis das músicas levaram estrelas, ou seja, metade do disco. Mas as três que escolhi para postar aqui são as que, na minha opinião, melhor espelham a diversidade musical deste trabalho. O Tal Casal é a primeira faixa do disco, uma música energética com elementos de rock que chama logo a atenção como quem diz, bem-vindos ao álbum. Como não podia faltar num álbum da Vanessa da Mata temos uma roots reggae track com As Palavras, uma faixa linda e suave que acalma um pouco as coisas depois de uma entrada como O Tal Casal. A faixa que dá o nome ao álbum é a minha preferida, e com o seu ritmo alucinante, pulsante e vigoroso é fácil ver porquê. Levanta o volume e perceberás do que falo.

3 comments:

Ricardo Soares said...

Grande Vanessa, verdade, este Ábum esta muito bom, gostei muito do SIM, mas este deu continuidade a musicalidade dela com uma mistura excepcional.

Claudio Silva said...

Concordo contigo Ricardo...

Anonymous said...

Ah, é verdade eu amo Vanessa da Mata, gosto de todas as músicas !

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...