Wednesday, March 31, 2010

Editor's Pick: The Top 11 Songs of the Last Six Months (Vol. 2)

Caipirinha LoungeThis list was even harder to make than the last one, six short months ago. I don't know if it's because the quality of music has increased on this site, due to all the inspired Lusophone artists the world over, or because the quantity of music posted here has increased gradually over the past six months, but wow. Incredible. Since Friday I've been compiling the list below, finally arriving at some semblance of a Top 11 List at well past midnight last night. In a year full of beautiful music in Portuguese, this list further celebrates Caipirinha Lounge's one year of life. As always, a huge obrigado to all the music lovers that come back to this site, all the new ones who discover it daily, and all of you that send in music suggestions. And of course, a huge obrigado to all the artists that continue to make beautiful music in Portuguese, no matter the odds or the difficulties. Thanks to the internet, your voice can now be heard by anyone who's interested.

Editor's Pick: The Top 11 Songs of the Last Six Months

11. Sabu, by Tcheka

10. Imagina So, by Coca o F.S.M.

9. Pe na Strada, by Sara Tavares

8. Kwassa, by Wyza

7. Pé Na Lama, by Paulo Flores

6. Moodswings, by 340ml

5. Amanhã, by Dino

4. Oxala te Veja, by OqueStrada

3.Day by Day, by Luca Mundaca

2. Freestyle Love, by Stereo Maracanã

And at Number 1...

1. Zom Zom, by Elias dia Kimuezo feat. Mauricio Pacheco and DJ Chris

As 11 Melhores Músicas dos Últimos Seis Meses

Esta lista foi ainda mais difícil fazer que a última, seis poucos meses atrás. Não sei dizer se é porque a qualidade de música postada neste espaço tem vindo a aumentar devido a uma maior inspiração dos músicos lusófonos deste mundo afora, ou se é porque a quantidade de música postada aqui também tem vindo a aumentar ao longo destes meses. O que sei dizer é que este processo tem sido incrível. O que sei dizer é que stou desde sexta-feira passada a tentar elaborar esta lista, e só ontem de madrugada consegui finalizá-la. Num ano tão cheio de ‘beautiful music in Portuguese’, esta lista vem celebrar a viagem pessoal e colectiva que tem sido um ano do Caipirinha Lounge. Como sempre, um grande obrigado (e kandandu, para os amigos angolanos!) à todos vocês amantes confessos de música que vêm aqui vez após vez, e também a vocês que descobrem o site e espalham-na pelas vossas amizades. Outro grande obrigado à todos que têm contribuído com sugestões musicais. E o maior obrigado a todos os artistas de música lusófona, a todos vocês artistas que continuam a fazer a tal ‘beautiful music in Portuguese’, não obstante as consideráveis carências e limitações. Graças à internet, as vossas vozes já podem ser ouvidas por quem quer que seja que estiver interessado.

-Photo by Bogus Brazilian

Friday, March 26, 2010

Caipirinha Lounge Cinema: Madredeus, Unplugged and Unscipted

No words are necessary - the videos speak for themselves. Madredeus, pure and beautiful. The setting, the music, and on the horizon, the sea. It's like a painting. Except one that incorporates Teresa's stunning voice and Pedro's guitar. Included here are four unplugged and unscripted Madredeus videos shot on the Azorean islands of São Miguel. The last one, Silêncio, shot among the volcanic caldeira of Sete Cidades on São Miguel, is available for download below.

Palavras pra qué? Os vídeos abaixo falam por si. Simplesmente Madredeus, com uma pureza e beleza invulgar. A paisagem, a música, e ao longe, o mar. Até parece uma pintura. Pintura incomum, porque inclui a voz linda da Teresa e a guitarra do Pedro. Abaixo estão quatro vídeos crus, do estilo unplugged, de Madredeus, filmados nas ilhas de São Miguel, nos Açores. A música do último vídeo, Silêncio, filmado entre a caldeira volcaniva Sete Cidades de São Miguel, está dísponivel para download.


*Thanks Philip

Hoje à noite há Reggae no Elinga!

City Kay Luanda
Xé! Are you ready for the good vibes? Hoje à noite há Reggae no Elinga!

City Kay
, O grupo francês de reggae, actuará hoje à noite no Elinga no âmbito da Semanda da Francófonia em Luanda. Pelo que ouvi dizer, ontém deram um show bastante aplaudido no Chá de Caxinde, e hoje repetiram a proeza no templo do Elinga. Há tambem mujimbos que actuaram ao lado da banda angolana de reggae, os Contrastes! A não perder! Para mais informações, clicar aqui.

Thursday, March 25, 2010

What does Lusophone music mean to you? How do you feel it? - By Philip Graham, Author

I have always loved Lusophone music, beginning with my discovery, decades ago, of the Brazilian singers Milton Nascimento and Djavan. But my deepest connection to the music began when, in the wake of my parents' deaths in the early 1990s, I first heard (at a Barnes & Noble listening booth) the Portuguese band Madredeus. The saudade of this music, I think without my consciously realizing it at the time, helped me with my mourning, helped me understand that a type of music could become a kind of emotional homeland, offering a different kind of citizenship. Its beauties led me and my family to live for a year in Lisbon

Lusophone music is virtually the only music I listen to now, whether it originates in Portugal, Brazil, Cape Verde, Angola or Mozambique. It's a music of great emotional complexity, a music in which joy doesn't deny the existence of sadness, and sadness doesn't erase the possibility of happiness. The multiple dimensions of its lovely ache, which both heals and wounds in stunning, acrobatic balance, has become a part of me.

About Philip Graham:

Besides being one of my brilliant sources on Lusophone music (it was from him that I learned about OqueStrada, Norberto Lobo, etc), Philip Graham is the author of short story collections, essays, prose poems, a memoir and a novel. His work has been published in the New Yorker, Paris Review, North American Review, the Washington Post, the New York Times and many other venues. His series of dispatches from Lisbon, which originally appeared at McSweeney's, have been recently published in an expanded edition as The Moon, Come to Earth (University of Chicago Press). Julia Keller, the Pulitzer Prize-winning journalist, has written "The Moon, Come to Earth is so enchanting: It dance and sighs. It twitches and hums and stumbles and then rights itself with a winning smile. It's like a living thing, filled with desire and uncertainty and joy and regret."

For more information and the latest news and updates, visit his website.

Tuesday, March 23, 2010

Caipirinha Lounge Presents: Lusofonia Acústica, Vol. 1

There you have it. Lusofonia Acústica, Vol. 1 - Caipirinha Lounge’s first mixtape. Or playlist, if you prefer to call it that. It’s a present to all of you readers that have enjoyed listening to the music posted on this website over the past year, and here’s to hoping that you keep coming back.

The main ingredient on this mixtape, the factor that ties all these songs together, is their use of the acoustic guitar, so vital in Lusophone music. There are sounds here from Angola, Mozambique, Portugal, Brazil, Guinea-Bissau, and Cape Verde, and the beauty of Lusophone music is that all these songs share a special kinship – they sound strangely familiar to one another. A Guinean song is placed after a Portuguese song and it seems that they could have come from the same land; a Cape Verdean sings in Creole right after you hear a Brazilian singing in their particular accent and it sounds strangely, pleasantly similar, and you forget for a second that they are two different languages. Some of the songs on this mixtape have been posted here, and others not, so you’ll be discovering some alluring new music.

As with all playlists, it only makes sense if you hear the songs in order (making a playlist of these songs on iTunes greatly helps the cause). Babel has to be listened to in between Jussara and Meu Esquema, Allegro before Pata Lenta, Di Alma after Libramor, etc:

1. Moodswings, by 340ml (Mozambique)
2. Allegro, by Madredeus (Portugal)
3. Pata Lenta, by Norberto Lobo (Portugal)
4. Na Bu Mons, by Eneida Marta (Guinea-Bissau)
5. Sabu, by Tcheka (Cape Verde)
6. Ermons di Terra, by Manecas Costa (Guinea-Bissau)
7. Libramor, by Lura (Cape Verde)
8. Di Alma, by Sara Tavares (Cape Verde)
9. Jussara, by Zuco 103 (Brazil)
10. Babel, by Aline Frazão (Angola)
11. Meu Esquema, by Mundo Livre S/A (Brazil)
12. Juána, by Mayra Andrade (Cape Verde)
13. Deusa do Amor, by Moreno Veloso (Brazil)
14. Starman, by Seu Jorge (Brazil)
15. Dez Ilhas, by Dino (Portugal/Cape Verde)
16. Ate Quem Sabe, by Rosa Passos (Brazil)
17. Day by Day, by Luca Mundaca (Brazil)
18. Samba em Prelúdio, by Paulo Flores feat. Mayra Andrade (Angola/Cape Verde)
19. Fotografia, by Mariana Moraes (Brazil)
20. Morro du Kussava, by Waldemar Bastos (Angola)

I hope you enjoy it. And if you do, rest assured that this is the first of many. And just in case you need an added stimulus, here is the last track of the compilation, the beautiful Morro du Kussava by Waldemar Bastos.

Morro du Kussava

“O mundo, o mundo é tão bonito…” he sings. The same can be said about Lusophone music. Que disfrutem!

Download playlist here:

Lusofonia Acústica, Vol. 1

**If you experience any problems with the download, do let me know!**

E aí está. Lusofonia Acústica, Vol. 1 – a primeira mixtape do Caipirinha Lounge. Ou primeira playlist, o que prefiram. É um presente para todos vocês, leitores, que têm vindo cá para o Lounge durante um ano (!) para escutar o que há de bom na música lusófona, música maravilhosa. Que voltem sempre, e que espalhem a mensagem.

O ingrediente principal deste mixtape é a guitarra acústica. Instrumento único no mundo da música lusófona, a guitarra acústica é o elo que liga as diversas melodias destes diversos países, tão diferentes mais tão iguais. Os sons desta compilação vêm de Angola, Moçambique, Portugal, Brazil, Guiné-Bissau, e Cabo Verde. A pecularidade da música lusófona é que não obstante a distância que separa os artistas destas canções, as mesmas são similares, docemente parecidas, familiares uma das outras. Um som da Guiné vem logo a seguir a uma música portuguesa e parece que foram feitos na mesma terra; uma música caboverdeana em creole segue um canto brasileiro e por instantes até parece que a língua é a mesma, tão parecidas que são. Muitas das músicas desta compilação já foram aqui postadas, mas outras não, por isso irá certamente descobrir música nova.

Como qualquer playlist, esta só faz sentido se os sons forem ouvidos numa certa ordem (o programa perfeito para por as músicas numa determinada ordem é o iTunes). A música Babel tem que ser ouvida entre Jussara e Meu Esquema; Allegro soa melhor antes do Pata Lenta, Di Alma depois do Libramor, e por aí em diante.

1. Moodswings, by 340ml (Moçambique)
2. Allegro, by Madredeus (Portugal)
3. Pata Lenta, by Norberto Lobo (Portugal)
4. Na Bu Mons, by Eneida Marta (Guiné-Bissau)
5. Sabu, by Tcheka (Cabo Verde)
6. Ermons di Terra, by Manecas Costa (Guiné-Bissau)
7. Libramor, by Lura (Cabo Verde)
8. Di Alma, by Sara Tavares (Cabo Verde)
9. Jussara, by Zuco 103 (Brasil)
10. Babel, by Aline Frazão (Angola)
11. Meu Esquema, by Mundo Livre S/A (Brasil)
12. Juána, by Mayra Andrade (Cabo Verde)
13. Deusa do Amor, by Moreno Veloso (Brasil)
14. Starman, by Seu Jorge (Brasil)
15. Dez Ilhas, by Dino (Portugal/Cabe Verde)
16. Ate Quem Sabe, by Rosa Passos (Brasil)
17. Day by Day, by Luca Mundaca (Brasil)
18. Samba em Prelúdio, by Paulo Flores feat. Mayra Andrade (Angola/Cabo Verde)
19. Fotografia, by Mariana Moraes (Brasil)
20. Morro du Kussava, by Waldemar Bastos (Angola)

Espero que gostem. E se gostarem, fiquem descansados que esta é a primeira mixtape de muitas. E caso precisares de uma razão adicional para downloadar isto, fique com Morro du Kussava, a linda música do Waldemar Bastos que fecha o disco.

"O mundo, o mundo é tão bonito..," canta o kota Bastos. O mesmo se pode dizer acerca da música lusófona. Que disfrutem dela!

Monday, March 22, 2010

O que significa a música lusófona para ti? Como a sentes? - Por Aline Frazão (Kukiela), Cantora/Compositora

A música lusófona tem assinatura de sal e do movimento das suas gentes. Somos exploradores aventureiros, cruzamos continentes e cantamos a sentida saudade da nossa bwala ou das nossas mil bwalas. A nossa música é, portanto, como a língua que partilhamos, "plural e colorida", nos diferentes sotaques que saem dançando da boca. Com orgulho dizemos-nos da lusofonia mas não falamos só o português.

No batuque, na dikanza, no kissanje, na sanfona, na pandeireta, no cavaquinho, na marimba, na batida - somos vários e soamos um. Penduramo-nos nas cordas de uma guitarra portuguesa e montamos a casa em cima de um pandeiro. Juntando os umbigos com um semba, riscamos no salão uma coladera. No corpo os kalundus do Kuduro, na voz a ternura da bossa-nova. Somos Angola, Brasil, Cabo-Verde, Galiza, Goa, Guiné Bissau, Macau, Moçambique, Portugal e São Tomé e todos os que se embalem nesse barco que segue o Cruzeiro do Sul.


About Aline: She's been featured here in the Lounge before, and of course you can download her music and revel in her voice here. But Ikono over at "Musica, Alimento Pr'Alma" wrote a stunning post on Aline that's really worth reading (in Portuguese).

Restless, by Buraka Som Sistema

It’s been a long while since the grimy, frenetic, chaotic, invigorating beat of kuduro has played in this Lounge. Luanda’s heartbeat, I like to call it. Buraka Som Sistema recently (well, not that recently) released not only an interesting mixtape, but also their newest club-banger, aptly named Restless, showcasing more of their forays into electro-kuduro-house fusion. It’s a solid Buraka track that leans more towards the electronic house sound than to kuduro, but nonetheless it delivers. I wanted to post it here on Saturday right before I went to a Kid Cudi concert, because I was in that sort of mood, but things sometimes don’t go as planned. Restless, however, seems to be exactly what Buraka had in mind. Spice up your Monday and turn the volume up. Play it at your workplace just to mess with your colleagues. Tell them to live a little.


Tem sido um bom tempo desde que a batida frenética, caótica, e reinvigorante do kuduro se ouviu no Lounge. A pulsação de Luanda, assim gosto de chamar o kuduro. Recentemente, (bem, não tão recentemente assim), os Buraka Som Sistema lançaram não só um mixtape que esta muito bem feito, mas também um novo single, daqueles que se tocam na discoteca e levantas-te a correr para ir dançar. Chama-se Restless, e está mais ‘pro electro-house do que para o kuduro. Mas mesmo assim, vas correr para ir dançar. Queria posta-lá aqui sábado, antes do concerto do Kid Cudi cá em Boston, porque estava neste tipo de disposição. Apetecia-me pular. Infelizmente mas não saiu planeado. Em contramão, Restless saiu exactamente como planeado pelos Buraka. Apimenta um pouco a tua segunda-feira e toca o brinde no serviço. Levanta o volume. Diz à colega e ao compadrepara viverem um pouco...

-Photo by Gerard Chic

Sunday, March 21, 2010

O que significa a música lusófona para ti? Como a sentes? - Por Tiago, 340ml Guitarist

Para mim, muitas vezes associo mais música lusófona com África que com Portugal e a língua Portuguesa, não sei porquê. Se calhar é por ser Moçambicano e também estar mais relacionado com grupos Africanos que usam a língua Portuguesa para se exprimirem. Mesmo assim não oiço música cantada em Português assim tanto como gostaria. Na verdade acho que os Brasileiros, com a sua adaptação lusófona, conseguiram fortificar música na sua própria língua melhor que qualquer outro povo Lusófono. Eles também conseguiram estabelecer uma personalidade suficientemente forte para ter os ouvidos do mundo atentos. Outras culturas que se expressam em Português deviam apreender com eles. Pelo sim pelo não, existe algo muito especial e muito terno quando alguém, numa canção, se expressa em Português.

About Tiago Paulo: Tiago is 340ml's guitarist. His favorite song to play live is Australopithecus. You can read about this and other fun facts in the interview he gave to the Lounge.

-Photo by

Caipirinha Lounge Cinema: As Verdades, by Azagaia

As Verdades is one of the best jams in Babalaze, Azagaia’s debut album. I consider this Mozambican as one of the best Portuguese-rapping artists of the moment, but several others, like my cousin Victor, contend that he’s simply the best. Feel the lyrics, and if you’re not a Portuguese speaker, I bet you’ll appreciate his flows and the power of the images here.

As Verdades é um dos melhores ‘brindes’ de Babalaze, àlbum de estreia do moçambicano Azagaia, que para mim é um dos melhores rappers a cantar em Português. Para outros, tal como o meu primo Victor, é mesmo o melhor. Sintam a letra, curtam as imagens, vibrem com o flow:

Catch this and more Luso-music videos here.

O que significa a música lusófona para ti? Como a sentes? - Por Mário Bastos, Cineasta

Para dizer a verdade hoje quando leio, ou ouço dizer Musica Lusófona penso logo no Caiprinha Lounge. Porquê? Porque este "pequeno" blog inaugurou exactamente a um ano atrás a casa perfeita no mundo web para a música Lusófona.

Esta música que está espalhada pelo os quatro cantos do mundo e que nos seus mais diversos sotaques e dialectos consegue encontra-se em palavras como saudade, para mim vai ter sempre um sabor a calulu de domingo. Passo a explicar. Como mangolé posso dizer, que já comi muito calulu em casa de amigos e restaurantes, mas para mim nenhum calulu bate mais como aquele que é feito todos os fins de semana lá no cubico dos meus kotas. É isso que a boa musica em português me traz que nenhum outra língua consegue. É um sabor especial. Um sabor único. Um sabor familiar. Um sabor a casa. Hoje um sabor a Caipirinha Lounge.

Arrepio-me a ouvir a "A Velha Chica," de Waldemar Bastos. Sorrio com "Vampiros," de Zeca Afonso. Revolto-me com "Como Nossos Pais," de Elis Regina e sinto saudades com "Manha de Domingo" de Ruca Van Dunem. Este são alguns dos muitos sentimentos e emoções que a música da minha "tribo" me traz. A minha tribo chamada lusofonia.

Obrigado Caipirinha Lounge.


Mário Bastos

About Mario Bastos:

Mario Bastos was born and raised in Luanda, Angola. At the age of 12 Mario received his first still camera. At the age of 14, due to his interest in Photography, a well-known Photographer/Filmmaker named Victorio Henriques saw the passion that drove Mario and took him in as his protégé. Mario attended Photography classes at Escola Portuguesa de Luanda High School. Due to Mario's determination, Victor, being a photography teacher at E.P.L., allowed him to take classes even though he wasn't of age yet.

Once Mario became officially enrolled in The Arts Program, he was successful in winning several Photography Awards. Mario developed an interest in turning his photos into movies by creating stories for each picture. At the age of 16 Mario decided he wanted to become a Filmmaker and move to New York City to reach his goals. One of Mario's main goals is to broaden Angola to the rest of the world and bring back film culture to his country. His first year in the city he attended E.F. International Language School, and interned at a Film Production Company.

He met a student from the New York Film Academy, which he would later attend, and began to work on other students’ films, while not being enrolled as an official student. In 2006 he Graduated from the Directing Program at NYFA with a successful award winning short film titled “Kiari.” Although at the moment Mario is enrolled in The Motion Picture & Television Program at Academy of Art University in San Francisco, California, he stills works in a variety of film projects in the U.S. and in Angola. His most recent short-film, "Alambamento," just wrapped principal photography in Luanda and is right now in post-production in San Francisco.

-Biography by Scott Perkins

Link to Alambamento beneath "Caipirinha Lounge Endorses", on the right hand side

O que significa a música lusófona para ti? Como a sentes?

Esta pergunta foi feita à várias personagens do mundo artístico lusófono e não só. Personagens que sentem a música como se sente aqui no Lounge. Durante os próximos dias, o Lounge ‘postará’as suas respostas, as suas maneiras de sentir a música. Finalmente poderemos ler outras vozes neste site, sem ser a minha ;) !

What does Lusophone music mean to you? How do you feel it? This question was asked to various personalities within the Lusophone world. Personalities that feel Lusophone music as it's felt here in the Lounge. During the next few days, I'll be posting their thoughts and musings on music. Finally another voice here besides my own ;) !

-Photo by Pimpo79

Saturday, March 20, 2010

Um ano de Caipirinhas / One year of Caipirinhas

Today marks Caipirinha Lounge’s one year birthday.

This time last year I was writing about Fernanda Porto, and everything was so new. Nothing would have prepared me for the exciting success that this website has had, or the amount of time it takes out of me, or the smiles it puts on your faces.

I’m in love with it. But mostly I’m in love with Lusophone music.

That’s the single catalyst that has kept this project alive for one year, and will keep it alive for hopefully many more. Lusophone Music. From Brazil, from Portugal, from Luanda, Maputo, Praia, Mindelo, Bissau, Dili, Lisbon, Bahia, Recife, and elsewhere. With the occasional non-Portuguese song, thrown in for good measure. It’s been an exhilarating adventure, thanks especially to you, reader, that spend your time perusing the site, reading my random thoughts, and downloading the music.

I think there are people out there to which music means a lot more than just notes and which music means the world. I suspect I might be one of those people.

Long live the Lounge!

*And to celebrate, the Mixtape...

Hoje o Caipirinha Lounge completa um ano de vida.

Neste dia em 2009, estava eu a escrever sobre a Fernanda Porto, no primeiro post deste longo projecto sem fim. Tudo era novo. Nada podia ter me preparado para esta aventura que se tornou o Lounge, em que não só conheci lindas músicas mas também lindas pessoas, músicos e artistas, que sustentam esta paixão.

Estou apaixonado pelo Lounge e tudo o que resultou dele. Mas mais ainda, estou apaixonado pela música lusófona.

Ha gente que nasce apaixonada pela música, talvez um pouco mais que o normal. Creio que me incluo neste grupo.

É a música que me faz voltar aqui vez após vez, e que sustentou este blog por um ano, e o sustentará, quem sabe, por muitos mais. A música. Do Brasil, Portugal, Luadna, Maputo, Praia, Mindelo, Bissau, Dili, Lisbon, Bahia, Recife, e por aí em diante. E de vez em quando, uma música não lusófona para apimentar um pouco as coisas. Tem sido uma aventura doce, revigorante, graças a ti, caro leitor, que gastas o teu tempo a ler o que escrevo e a ouvir esta linda música.

Longa vida ao Lounge!

*E para celebrar, a Mixtape...

Friday, March 19, 2010

Logo, by Leonardo Wawuti

Morning comes. Welcome to Boston, Spring.

Sunlight filters through my blinds, bright and majestic, soaking the room in radiance. I want to listen to something calm, a slow jam. Something that might even remind me of her. Logo by Leonardo Wawuti comes to mind. It’s the perfect song for the occasion, the perfect song to start this kind of day, in this kind of mood. In his album, Ltrospectivo, it comes on before the intro, a short window into his neo-soul prowess that he more or less keeps under wraps for much of the album. At one minute and 55 seconds, it’s the kind of short and sweet track that can leave you yearning for more. And wonder why the man doesn’t release a full album with just this sort of vibe. Feel the lyrics:

The wind blows and I hear your name
I wander in memories made last night
They are things outside my control
I just hope that later I find you again…



Amanhece. Bem vindo à Boston, primavera.

A luz do sol entra pela minha janela, em partes, pela perciana. Desliza sobre as minhas paredes brancas, molhando o quarto numa luz brilhante. Quero ouvir algo calmo, um slow jam...afinal de contas só acordei agora. Quero ouvir algo que me faz lembrar dela. Logo, do Leonardo Wawuti, vem-me a cabeça. É o som perfeito para começar este tipo de dia, com este tipo de pensamento. É uma track que está escondida no seu album, Ltrospectivo, ainda antes da intro. Tanto que no fim do som ele até diz, “epa, vamos lá começar o album.” Dura sómente um minuto e 55 segundos, mas sendo assim tão curta, claro que nos leva a querer mais. E a pensar, porquê que o homem não lança um àlbum todo ele assim, com esta vibe este feeling? Curtam a letra:

O vento sopra e eu oiço o teu nome
Vagueio em memórias feitas ontem à noite
São coisas fora do meu controle
Só espero que logo eu te encontre...

Sem palavras.

-Photo by Massalo

É Doce Morrer No Mar, sang by Cesária Évora and Marisa Monte

É doce morrer no mar,
Nas ondas verdes do mar

A noite que ele não veio foi,
Foi de tristeza pra mim
Saveiro voltou sozinho
Triste noite foi pra mim

É doce...

Saveiro partiu de noite, foi
Madrugada não voltou
O marinheiro bonito
Sereia do mar levou.

É doce...

Nas ondas verdes do mar, meu bem
Ele se foi afogar
Fez sua cama de noivo
No colo de Iemanjá

This beautiful, mournful Brazilian ballad was originally composed by Dorival Caymmi, one of the country’s most popular and prolific songwriters. In this incarnation it’s crooned by Cesária Évora in her unmistakable leathery lilt, gently interspersed with verses sang by Marisa Monte. A fitting tribute to this haunting, soulful tune, one of Caymmi’s best.

É Doce Morrer No Mar

Marisa Monte
Esta canção melódica e triste foi originalmente composta por Dorival Caymmi, um dos mais emblemáticos compositores daquele país irmão. Nesta encarnação, é cantada naquela voz melancólica de Cesária Évora, intercalada com as vocais deliciosas da Marisa Monte, cantora brasileira que dispensa apresentações. Um belo tributo à uma canção pesarosa. Uma das melhores do grande Dorival.

-Cesaria photo by Kmeron, Marisa photo by Malu Green!

Tuesday, March 16, 2010

Desert Blue Sky, by Banda NEXT

Banda NEXT AngolaThis might be the first time a Banda NEXT track is widely available on the internet for your aural pleasure. A Caipirinha Lounge Exclusive, you might say. Divaldo Cardoso, one of the band's guitarists, kindly ceded it to me a couple of weeks ago, and, being the one Banda NEXT song I have in my possession, I've been playing it generously. A video of it was featured in the last post I wrote about this group. Desert Blue Sky is a novel contained in a song. It's a story that develops musically, punctuated in parts by vocalist Nuno Minga's wail, his lament. Nuno's vocal performance in this number is brimming with vitality. He infuses the song with palpable sentiment, a deep longing. The guitars play with each other, giving the song its rhythm, while the robust bass in the background is subtle enough not to be overheard but strong enough to give the song its backbone. There is something tribal in this song, something you would want to hear alone, in a desert, with nothing around you. Maybe in the middle of the Namibe desert, in Angola's southwest. Afro-electro-acoustic is what they like to call their sound...take a listen.

Desert Blue Sky

Esta deve ser a primeira vez que uma música da Banda NEXT esta dísponivel na internet, para o vosso prazer auricular. Um exclusivo do Lounge, se assim o quiserem chamar. O Divaldo Cardoso, guitarrista da banda, teve a gentileza de me ceder esta música algumas semanas atrás, música este que ja foi exposta aqui em forma de vídeo. Sendo a única música desta Banda que tenho em minha posse, tenho estado a ouvi-lá generosamente. Chama-se Desert Blue Sky, e a ouvi-lá é como caminhar por um livro, musicalmente. É uma história que desenvolve-se musicalmente, acentuada aqui e ali pelo lamento cantante do Nuno Mingas, que nesta música faz-nos ouvir as suas ricas cordas vocais em toda sua vitalidade. Alimenta a música com um sentimento forte, um choro sem tempo, eterno. Neste som, as guitarras brincam umas com as outras e dão ritmo à melodia, e o baixo eléctrio, subtil, dá-lhe força e estrutura. Há algo de tribal nesta música, algo que me faz querer ouvi-la longe de tudo, sózinho. Talvez no meio do deserto do Namibe. A Banda NEXT gosta de chamar o seu som de afro-eléctrio-acústico, e este é um belo exemplo. Oiça...

Banda NEXT's Website

Back from a break / De regresso!

I'm back in Boston after one of the most grueling trips I've ever taken. Cancun was nice, sure, but the trip back, dios mio. Delayed flights, canceled flights, broken down buses, arcane security lines, you name it.

It's been difficult not writing here for so long. What's it been, 13 days? Cancun of course was a great time, notwithstanding the complete lack of any sort of Mexican identity, but once in awhile the thought of a song would pop in my head...the thought of a verse, a singer, a jam I'd like to share. It also doesn't help that at the moment I have no working laptop and am carting my music around on my portable hard drive. So yes, it feels great to be back. Especially at this time of the year, as the sun is starting to peek through the clouds (so you've been there all along, old friend) and the trees are showing signs of being alive, after all. Not to mention the surprises I have in store for you in the upcoming days and weeks...guaranteed to increase the mood you're in, as 340ml says.

Estou de volta à Boston. A viagem de regresso foi uma das mais estranhas e dolorosas da minha vida. Voos atrasados, voos cancelados, autocarros avariados no meio da estrada, screenings de segurança fora de série, e por aí em diante.

Tem sido dífil ficar tanto tempo sem passar por aqui. Foram quantos dias, uns 13? Claro que Cancun foi divertido, se bem que é uma cidade desalmada, sem qualquer carácter Mexicano, onde inglês é a língua franca. Valeu pela companhia, pelos amigos. E mesmo lá, de vez em quando vinha ter comigo uma música, um verso, um semba que queria partilhar convosco, e não tinha como. Ainda por cima estou sem laptop, e estou a transportar a minha carga musical numa simples hard drive externa. Por isso, sim senhora, que bom estar de volta, de regresso. Principalmente nesta altura do ano, a primavera, época da renascença, onde as àrvores finalmente mostram sinal de vida, afinal estavam só a brincar connosco. E o sol começa a espreitar pelas nuvens, afinal estavas lá, velho amigo. Tenho várias surpresas para vocês nos próximos tempos...iram certamente ‘improve the mood you’re in’, como dizem os 340ml.

-Photo: Boston Winter Nights, by cgc0202

Wednesday, March 3, 2010

Ex-Combatentes, by Paulo Flores: Viagem

If there was a way I could turn back time, I would include Paulo Flores magnum opus, Ex-Combatentes, on my list of the top Lusophone albums of 2009. But that’s been the dream of man for millennia, and it’s not about now that it would become reality. Neither could I rate a CD which I hadn’t heard. I came across Paulo Flores’ Ex-Combatentes while reading Aline’s sweet description of a particular song on this work of art, on her blog Kukiela. Ex-Combatentes is magnificent. It’s a three-CD set recorded by Paulo Flores, his newest album if you will, inspired by his celebrating his 20th year as a musician. It’s really no small feat for a musician, and cements his status as one of Angola’s premier artists. He’s certainly among my favorite ones.

Paulo’s songs move me like few others; his words, his poetry, the way I relate to his chronicles, it’s definitely food for the soul. This three disc set was produced by Jacques Morelembaum and features, among others, Mayra Andrade, Manecas Costa, Eduardo Paím, and Banda Maravilha. It’s an expression of Lusophone music, drawing from all its inspirations from across the oceans that divide the Lusophone nations. Since Ex-Combatentes it’s a three-album project, I will write three posts on them. Partly because I have so far only listened to the first one, Viagem, and mostly because it’s impossible to pick just a couple of songs from the entire set, such is their quality.

The first disc, Viagem, showcases a Paulo Flores that I barely knew. The Paulo Flores that dabbles in afro-jazz and afro-beats and electric base guitars. It’s not classic Paulo Flores semba. For that fact alone it’s an enticing listen, the artist out of his element. Another Angolan experimenting with what the western press terms as classic ‘world music’, sort of like Banda Next. Three songs in particular stand out from Viagem. There is the sweetly uplifting, slightly joyous, playful Diarabi: it puts a smile on my face every time, and it’s slightly reminiscing of Malian music, which I suspect is a source of his inspiration. I know a Malian musician, Issa Bagayogo, who has a song of the same name. There’s Fela no Marítimo da Ilha, obviously inspired by that mythical Nigerian magician of a musician, Mr. Kuti; it’s a raring afrobeat , energetic as well, but still allowing Paulo Flores’ iconic voice to take control of it.

And lastly there is Pé Na Lama.

It’s the song I heard on Aline’s blog and inspired this long-winded post. From the first strums of its guitar, and the first beats of the drums, it holds you, firmly, in its grasps. It’s hauntingly hypnotic. I had it on repeat for awhile before I could listen to the rest of the album. If you’ve ever had the chance to peruse the multitude of links on this page, you’ll see that under “Caipirinha Lounge Endorses”, there is a link to an upcoming Angolan short film by Mario Bastos, Alambamento. Go to that site and click the film’s trailer. Sound familiar? Look at how well it goes with that scene…For me, it’s the best song on Viagem and the best Paulo Flores song I have heard in some time. He hasn’t done anything like this before. I think it’s what 20 years of creating music do to a man. It changes your artistic outlook, it matures you.

How great would it have been to go to one of those concert dates on the pic at the top of this post, and heard these songs live?

Fela no Marítimo da Ilha
Pé Na Lama

Se houvesse maneira de voltar atrás no tempo, certamente que incluíria o magum opus do Paulo Flores, o Ex-Combatentes, entre os melhores álbuns lusófonos de 2009. Mas a manipulação do tempo tem sido sonho do ser humano á séculos, e não serei eu a descobrir como fazê-lo. E mais, não posso avaliar algo que nunca tivesse ouvido. Só me dei conta da existência destre trabalho quando visitei o blog da Aline, o Kukiela, e li a sua descrição poética de uma das músicas do Ex-Combatententes. É realmente um trabalho magnífico. É o grito de alegria do Paulo Flores: contém três discos a celebrar os 20 anos de carreira deste cantor. O que não deixa de ser uma marca importante para um músico, ainda mais na nossa praça. Cimenta o seu estatuto como um dos melhores cantores angolanos da actualidade. É certamente um dos meus preferidos.

As músicas do Paulo Flores movem-me como poucas outras. A sua poesia, as palavras que ele escolhe, a sua maneira de contar histórias, a sua musicalidade, é mesmo como dizem, alimento pr’alma. Este trabalho de três discos foi composto pelo Jacques Morelembaum e nele constam aparições de Mayra Andrade, Manecas Costa, Eduardo Paím, a Banda Maravilha, e não só. É uma linda expressão de música lusófona, incorporando dela diversos ritmos vindo das terras distantes que unem os ‘povos lusófonos’. Ja que o Ex-Combatentes é uma obra de três discos, escrevirei três posts sobre ele, um para cada disco. Um pouco porque ainda só ouvi o primeiro, Viagem, e mais porque é impossivel escolher só duas ou três músicas de entre 27 de qualidade.

O primeiro disco, Viagem, mostra-me um Paulo Flores que não conhecia. Um Paulo Flroes que deleita-se com afro-jazz e afro-beats e baixos eléctricos. Não é o Paulo Flores dos sembas clássicos, é outro, diferente. Só este facto ja torna o Viagem um disco incomum, como um filme apetitoso, em que o actor principal que sempre ‘conhecemos’ desempenha um papel que para nós é fora do normal. É outro angolano experimentando com um som mais electro, mais o que os do oeste chamam ‘world music’, um pouco parecido com o que faz a Banda Next. Três músicas em especial chamam a atenção neste disco. Em primeiro está Diarabi, música feliz, alegre, bonita, parecida com a música Maliana, que suspeito foi a inspiração do Paulo Flores. Outros músicos Malianos, tais como o Issa Bagayogo, têm músicas com este nome. Outra que aprecio bastante em Viagem é Fela no Marítimo da Ilha, obviamente inspirada no grande músico nigeriano, o Sr. Kuti. É um afrobeat enegético, cheio de atitute, à maneira do Sr. Flores.

E por último temos Pé Na Lama.

É a música que ouvi no blog da Aline e a música que inspirou este post que ja vai no seu quarto parágrafo. Desde os primeiros dedilhos da guitarra, desde os primeiros toques do batuque, esta música agarra-te, com firmeza. É deliciosamente hipnótica. Pus-lhe em repeat por algum tempo antes de ouvir o resto do disco. Se alguma vez, caro leitor, teres uma chance de gastares ainda mais tempo neste site, notarás que abaixo o título “Caipirinha Lounge Endorses”, ha um link para um short-film angolano da autoria do Mário Bastos com o nome Alambamento. Vai ao site do filme e carregue no trailer. É familiar, a canção, não é? Acho que Pé Na Lama é a música perfeita para o trailer...e o melhor ‘brinde’ do Viagem. Creio que é um dos melhores brindes do Paulo Flores que ouvi recentemente. Nunca ouvi algo assim parecido vindo dele. Acho que só depois de 20 anos a fazer música podemos fazê-la assim, desta maneira. 20 anos de música é muito, muda o homem. Esta música é prova, pelo menos para mim.

PF on Myspace

A Minha Embala: Concerto de Aline Frazão e Cesar Herranz na Galiza

From Aline and Cesar:

A minha embala é um projecto de Aline Frazão (voz, guitarra) e César Herranz (flauta transversal, percursão), ao encontro das expressões musicais dos diferentes países de língua portuguesa. Movemo-nos no universo musical de Angola, Cabo Verde, Brasil, Portugal e Galiza, cantando em português, crioulo, kimbundu e umbundu.

- Quarta Feira, 3 Março 2010. 21:00h. C.S. A Cova dos Ratos. Romil, 3. Vigo

- Quinta Feira, 4 Março 2010. 19:30h. Biblioteca Municipal de Sagrada Familia. Antonio Pereira, 1. CORUNHA

- Quinta Feira, 4 Março 2010. 22:00h. A Cova Céltiga. Rúa Orzán, 86. Corunha

- Sexta Feira, 5 MARÇO 2010. 20:00h. Escola Oficial de Idiomas de Lugo. Montirón s.n. Lugo

- Sabado 6 Março 2010. 21:00h. A Gentalha do Pichel. Santa Clara, 21. Compostela

Tuesday, March 2, 2010

Coca o F.S.M.

Back in December of 2009 I told you about DJ Soulbreakxtra, who also goes by Tuka and livens up the scene at Luanda’s Elinga Bar on Thursday nights. You get extra points for remembering that I mentioned that Tuka has a brother who shares the DJ booth with him at Elinga. Together, they form Afrologia, and turn Thursday nights into a delicious mix of good music, good vibes, and good people, mingling about in that open-air patio, taking in the sweet Luanda air and looking out over the Marginal. That man who shares the booth with Tuka? He’s Coca o Faray Sem Mobile (or F.S.M. for short, if you don’t paticularly feel like saying that mouthfull), and you can actually hear his vocals on “Olha So Quem Vem La”.

Click on Imagina Só. If you ever been milling about in Luanda on one of those balmy summer nights, driving through the Ilha (hear those waves at the beggining...?) or just relaxing about in your quintal, you’ll appreciate the soothing qualities of this tune. Hell, if you’ve ever been milling about outside during a balmy night anywhere, you’ll appreciate this tune. If you enjoy soft piano loops, neo-soul and jazz, chill electronica, and a dose of afro-beat, you’ll appreciate this tune. Coca is doing exciting things with his music and is part of a growing number of angolan ‘underground’ musicians who are experimenting with the aural delights of mixing electronica and afro-beats, break-beats and jazz, neo-soul and hip-hop.

In the same vein there’s Relachtotal, another chilled, laid-back jam with hip-hop influences and a little surpsise at 4:09; also included here is Os Teus Pais Não Estão em Casa, whose trippy breakbeat is a bit more fast paced than the others. Music like this, you can listen to for ages…check out the Myspaces below for more of this good stuff. Angolan electronica, at its best.

Imgania So
Os Teus Pais Não Estão em Casa

Em Dezembro de 2009 falei-vos do DJ Soulbreakxtra, também conhecido como Tuka, que é um dos animadores principais das noites do Chokolate Quente no Elinga Bar. Disse-vos que o Tuka tinha um irmão que partilhava com ele a ‘mítica’ DJ deck do Elinga, e que juntos formavam os Afrologia, deliciando a plateia lá em baixo com uns sets recheados de soul enquanto sentiam os saborosos ventos refrescantes vindos da Marginal, ali mesmo ao lado. O homem que partilha o set com o Tuka? Nada menos que o Coca o Faray Sem Mobile (ou F.S.M, pra quem não está para grandes aventuras etimológicas), irmão do Tuka e cantante no brinde “Olha So Quem Vem La”, brinde este que me acompanhou na minha viagem para Luanda em Dezembro.

Clica ainda no Imagina Só. Sente ainda a maneira que a música começa. Essas ondas, serão da Ilha? Não sei, mas apetecem. Mesmo. Pra quem ja sentiu na pele uma noite em Luanda, a maneira que a brisa nos acaracia levemente quando andamos pela Ilha ou o calçadão, ou a maneira que o ar doce da cidade nos entra quando estamos a relaxar no quintal com os primos, sentirá no fundo este som, leve, particular. O piano loop faz-nos acalmar. Pra quem nunca sentiu uma noite em Luanda, qualquer noite quentinha de verão tem o mesmo efeito. E pra quem nunca sentiu isso, então basta ser fã de neo-soul e jazz, electronica e afro-beat, para apreciar este som. O Coca, o Tuka, e outros, são parte de um crescente grupo de músicos angolanos que estão a experimentar a música electronica e a fusão desta com o afro-beat, o break-beat, o jazz, o neo-soul e até o hip-hop. São pioneiros.

Curtam também Relachtotal, que soa mesmo como o seu título. Curtam a maneira que ela desvia um pouco no minuto 4:09, uma agradável surpresa. Incluída aqui está também Os Teus Pais Não Estão em Casa, para ser tocada mesmo nessas ocasiões...malandras. Tem um beat um pouco mais energético que as outras. Música como esta, é para se ouvir com um sorriso na cara. Para paragem obrigatória, estão em baixo os links dos Myspaces destes músicos.

Faray Sem Mobile on Myspace
Soulbreakxtra on Myspace
Soulwatt Productions

Monday, March 1, 2010

Late Nite Lounge Vol. 15: Catya Maré

Catya Maré
The music that this Danish musician creates is beautiful. Catya Maré does an amazing music thing with her violin - she gives it a voice. I've never really listened much to classical music nor its more modern reinterpretation, which is Catya's genre of choice. But what makes her album appealing is how accessible it is: it's her violin mixed with electronica, jazz, Celtic, and new age, among other genres. I think the powers that be call it "classical crossover", and her music has won her several musical awards. It's a soothing listen, and it goes well with those dark, cozy, quiet, winter nights. Light Longing is a lovely companion for that sort of evening, a unique expression of love where the words are sung by her violin. It's on her latest album, Destination Love, available in all those good places where good music is sold (iTunes, Amazon, etc)

Light Longing

A música que esta senhora dinamarquesa cria é linda. Ela chama-se Catya Maré e faz do seu violino a sua voz, dando lhe sentimento, emoção, ternura, em fim, dando-lhe vida. Nunca fui grande consumidor de música clássica, que é a sua fonte de inspiração. Mas um dos pontos fortes da música da Catya é que a mesma é acessível, já que mistura o violino com genres modernos, incluindo a electronica, o jazz, o new age, o Celtic, e por aí em diante. Os críticos chamam isso "classical crossover", e a sua música ja ganhou vários prémios. Destination Love, nome do seu CD mais recente, é daqueles discos que depois de um dia particularmente cansativo, ou numa destas noites frias de inverno, caem como água. Light Longing, a música aqui incluída, é perfeita para este tipo de noite...uma carta de amor onde as palavras são escritas por um violino. Consta no tal Destination Love, album que pode ser comprado em todos os sítios do costume (iTunes, Amazon, etc).

Catya Maré on Myspace
Catya's official site
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...