Monday, November 30, 2009

Caipirinha Lounge Cinema: Maria, by Blick Bassy

I like the story behind this official video by Blick Bassy. It’s very nicely done and shows that music videos can still be simple and subtle, but tasteful. Maria is included in Bassy’s debut album, Léman, along with Donalina, a track included a couple of posts below that I still haven’t got enough of.

Gosto muito da história por detrás deste video de Blick Bassy. Está muito bem feito e vem provar que um videoclip não necesita confusão á toa, basta ser simples, súbtil, e bem executrado, como este. A canção Maria está incluída no álbum de estreia de Bassy, tal como a canção Donalina, que continua a rodar o meu iPod.

Friday, November 27, 2009

Late Nite Lounge Vol. 3: Vagarosa, by CéU

There was no Late Nite Lounge (LNL) last weekend, so this one is to make up for it. The music of this LNL installment comes entirely from CéU’s second solo album, Vagarosa, which stays true to what we have come to expect from one of Brazil’s hottest contemporary artists. A downtempo ambiance, her exquisite voice, and jazzy arrangements throughout. It’s made for the late nights and drips with sensuality. I included my three favorite songs from Vagarosa. The first one is Cangote, a reggae-influenced track that might remind you a bit of Vanessa da Mata’s Brazilian reggae, though CéU’s fare is definitely more tripped out. Next up is Grains de Beaute, a slow-paced, jazzy encounter with her voice in top form. Not to be outdone is the track Bubuia, my preferred one of the three. It’s hard to classify it and pin-point what about it makes it so appealing…I’ll leave that up to you. Something about it's retro-sound has this track on repeat on my iPod. Enjoy!

Grains de Beaute

Como não houve Late Nite Lounge (LNL) o fim de semana passado, este fim de semana têm direito a dois. Nesta versão, a bela e talentosa cantora contemporânea brasileira CéU é destacada, com três músicas do seu mais recente trabalho discógrafico, Vagarosa. O vibe downtempo e relaxado, a sua voz de mel e os arranjos de jazz fazem desta pequena colecção uma delicia de se ouvir e perfeita para as noites tardias, quando o sono demora a vir. Incluídas aqui estão as minhas músicas preferidas de Vagarosa. A primeira é Cangote, um reggae abrasileirado que faz lembrar alguns reggaes de Vanessa da Mata, se bem que o reggae de CéU é mais aventureiro e fora do comum. A seguir vem Grians de Beaute, lento e sensual com sabor a jazz e uma demonstração do poderio vocal desta cantora. Por último, Bubuia, a minha preferida. É difícil encontrar o adjectivo perfeito para caracterizar esta canção. Vou deixar isto pra si. No interim, carregue no play...

- Photo by Raphael Fagundes

Blick Bassy

Blick BassyFrom the same musical country as the great Manu Dibango, Blick Bassy is a Cameroonian soul jazz musician who grew up listening to Gilberto Gil and Marvin Gaye. He is incredible. Bassy’s music is a beautiful, haunting blend of West and Central African rhythms that will remind you at once of Cape Verdean sounds just as much as Mali’s music, but once in awhile he’ll throw in a bossa nova and you’ll be hooked, longing, yearning for more. Léman is the title of his debut album, recorded in Salif Keita’s studio in Bamako and released by the label World Connections. Currently based in Paris, Bassy recorded his album entirely in his native tongue, Bassa, a language that he says is quickly disappearing.

Africa is the album opener, an organic acoustic track featuring the kora, the double-bass, and other West African instruments such as the calabash that give music from that region that distinct flavor. The track that is currently rocking my world right now though, one that I just can’t get enough of, is Donalina. It stars with a soft guitar strumming bossa nova style and you almost expect a voice like Seu Jorge’s to come in, but instead it’s Bassy singing in a language that I never even know existed but yet sounds familiar – the feelings it expresses need no translation. Stunning. For anyone reading this in the States, it hits just the spot if you are currently lounging around rendered immobile by turkey-induced food-coma. Remember this name: Blick Bassy. And Happy Thanksgiving.


Conterrâneo do grande Manu Dibango, o Blick Bassy é um cantor de música jazz e soul camaronês que cresceu a ouvir a música de Gilberto Gil e Marvin Gaye. O homem é incrível. A música dele é uma mistura linda e captivante dos estilos musicais do oeste de África; às vezes faz lembrar ritmos Cabo Verdeanos do estilo Tcheka, outras vezes é mais parecida com as músicas do Mali. E então quando ele faz uma bossa nova africanizada, está lançado o isco. Apanhou-me. Léman é o nome do seu primeiro album a solo, feito em Bamako nos estúdios do Salif Keita e lançado pelo label World Connections. Baseado em Paris, o Bassy canta as suas músicas exclusivamente em Bassa, dialecto do seu povo nómada que esta em franco desaparecemento.

O album abre com a canção Africa, uma música acústica e orgânica com instrumentos típicos daquela região africana, tal como o kora e a cabaça, que a dão aquele sabor único. Mas a canção que esta a tirar-me do sério é Donalina. Começa com umas batucadas e uma guitarra leve, e ate parece que a qualquer momento vamos ouvir a voz de Seu Jorge a cantar, tal é o feeling da música. Em vez disso, temos a voz de Bassy a cantar numa língua sobre a qual nem sequer sabia existir, mas que soa-me tão bem que até parece familiar. Talvez porque os sentimentos que transmite não precisam de tradução. É uma canção bela. Se alguêm esta a ler este post nos Estados Unidos e acaba de se empanturrar com o peru do Thanksgiving, a vibe destas músicas é perfeita para aquele período sonolento pós-jantar. Não se esqueçam do nome: Blick Bassy. E Feliz Thanksgiving.

-Photo by Luxor Live

Blick Bassy on Myspace
Blick Bassy on WorldConnection
Blick Bassy's Leman on Amazon
Also available on iTunes

Thursday, November 26, 2009

Sara Tavares Serenades Boston

Sara TavaresShe didn’t sing Dam Bô, but it didn’t matter.

I had the pleasure of seeing Sara Tavares perform live last Saturday at Boston’s Berklee Performance Center. It was the first time I had ever seen Sara live and the first time I had gone to a Luso artist’s concert here in the States. I went with a very good friend of mine who not only took the pictures you see on this post but also snagged some amazing seats right near the front of the stage, so that I could unabashedly stare at Tavares as she played soulful song after soulful song. Sara came with an exceptional band, especially the Portuguese bassist who sang the duet Planeta Sukri with Sara in perfect creole (Boy Ge Mendes is featured in the original rendition, included below).

Planeta Sukri

Her singing was beautiful, profound at times, and it was clear that she loves what she does. The smile never left her lips, and she was completely at ease with the audience, making us laugh and smile along with her. It was always going to be interesting to see what kind of crowd she would attract; of course, the Cape Verdean contingent came out strong, but so did a lot of older Bostonians whose presence there took me by surprise. The venue itself was a sit-down concert hall, which wasn’t conducive do dancing, but Sara took care of that when she ordered us all on our feet towards the end of the concert. She played mostly tracks from Xinti (including So D’imagina, one of my favorite jams) and included crowd favorites from Balancê and Mi Ma Bô.

So D'imagina

There’s an expression in Spanish that perfectly characterizes what Sara Tavares is all about: buena onda, or like Boss AC says, boa vibe. When you listen to her lyrics you have a sense of the person behind them, and that is exactly the way that Sara lives her life. She seemed so at peace with herself. In the end, everyone left with a feeling of deep satisfaction, because Sara was able to convey that “Bom Feeling” to the crowd. I yearn to see her again.

-Photos by Molly Dow

Wednesday, November 25, 2009


WyzaAbout 25 years ago João Sildes Bunga and his mother left their native lands of Uíge province in northern Angola and, like countless other families, set south for Luanda, to escape the devastating civil war. Their lives in Luanda was one of hardship and hard work, and many times the only diversions for this musical family of two were the guitar sessions they would have with João’s dilapidated instrument. Eventually, João took the name of Wyza as his artistic identity and, through a combination of sheer luck and an immense talent, was able to not only get a song on Luanda’s radio (a track called Mpasi, which in his native Kikongo language means suffering), but to release his first solo album.

Unfortunately his album panned because of a poor marketing campaign, but it got the interest of none other than Paulo Flores, one of Angola’s best musicians and a man whose musical opinions matter. Wyza was then invited by Paulo Flores to open one his concerts, and from then on news of his music began to spread, quietly and timidly. Wyza’s biggest break however came when he was commissioned to help build Maianga Producões’ studio in downtown Luanda, the same label responsible for the release of the album Comfusões. Having seen and heard his musical acumen, Maianga decided to employ Wyza in the studio, and his career began in earnest. Paulo Flores featured him in a track on his album Xe Povo, and a couple of years later Wyza recorded and released his debut album, Africa Yaya.

The two tracks featured below, however, are from Wyza’s second album, Bakongo, my preferred one. Also released by Maianga Produções, it features production work from our well known Mauricio Pacheco (Comfusões, Stereo Maracanã), from whom I learned about Wyza. Being from Uíge and thus part of the ancient Kongo Kingdom, Wyza is incredibly proud of his heritage, and all of his songs to date are sung in the Bakongo language. The Bakongo have their own religion, customs, and music, namely the kilapanga rhythms that Wyza is so fond of. The kilapanga sounds ancient and earthy, and it gives a certain timelessness to some of Wyza’s music, especially the title track Bakongo. But the standout track on the album is Kwassa, a modern yet primeval track highlighting Wyza’s exquisite voice and slick production work from Mauricio (who also plays electric guitar for Wyza), transforming it into a thoroughly enjoyable dance jam. Just wait 'til the beat drops...


A cerca de 25 anos atrás o João Sildes Bunga e a sua mãe deixaram as suas casas ancestrais nas terras do Uíge para fugir da guerra e, como muitas outras famílias naqueles tempos, decidiram arranjar uma vida nova em Luanda. As suas vidas em Luanda eram uma luta constante, mas era um pouco atenuada com as sessões de música entre os dois utilizando a viola do João. Eventualmente, o João escolheu Wyza como nome artístico, e, por uma combinação de sorte e trabalho árduo, conseguiu não só por uma música na rádio (Mpasi, que siginifica sofrimento em Kikongo) como também lançou um CD.

Infelizmente, o album não fez lá muito sucesso, sendo uma das razões a sua divulgacão inadequada. Mas conseguiu chamar a atenção do kota Paulo Flores, apreciador de música boa, e Wyza foi convidado pelo mesmo para abrir um dos seus concertos. Timidamente começou-se a falar deste novo nome do panorama musical angolano, ate ao momento em que Wyza foi contratado para trabalhar na obra de construção dos estúdios da Maianga Produções, a mesma editora que lançou o album Comfusões. Impressionado com o seu talento, a Maianga Produções decidiu assinar contrato com o Wyza e por intermédio deles o cantor lançou o seu primeiro album, Africa Yaya, e a sua popularidade despontou.

As duas faixas incluídas aqui são do seu segundo album, Bakongo, que eu prefiro em relação ao primeiro. O album tem dedo do Mauricio Pacheco (Comfusões, Stereo Maracanã), que não só produziu o CD mas tambem tocou guitarra em algumas músicas. Já que o Wyza é um filho orgulhoso das terras do Uíge (do antigo Reino do Kongo), as suas músicas são todas em Kikongo e muitas são do ritmo kilapanga, o ritmo dos Bakongos. O kilapanga é um ritmo bastante rico, e dá uma certa pecularidade as músicas do Wyza. Confire por exemplo a canção Bakongo. Todavia, a melhor música do CD tem que ser Kwassa, que conta com um ritmo moderno e polido e uma energia contagiante. Foi produzida pelo Mauricio e da vontade de dançar. Quem duvida, carregue no play!

-Photo by Zeibalsero

Wyza Online
Wyza on Myspace

Sunday, November 22, 2009

Tereza Salgueiro em Luanda, Hoje à Noite

Tereza Salgueiro Luanda
Para quem perdeu o show de ontém, hoje tem mais uma chance de ver a voz dos Madredeus ao vivo no Cine Tivoli em Luanda. A não perder!

For those who missed the boat last night, you have one more chance to see Tereza Salgueiro live tonight at Cine Tivoli in Luanda. Don’t miss it!

Sara Tavares in Boston TONIGHT!

Sara Tavares is in Boston and will be performing at Berklee Performance Center tonight. After I write this post, I'm putting my shoes on and heading to Berklee. She's one of my absolute favorites and seeing her live has gotten me into all kinds of excitement. If she plays Dam Bô I don't know what I'll do...!

Hoje é hoje! A Sara Tavares está cá em Boston para uma performance no Berklee Performance Center, que fica a cerca de 5km do meu apartamento. Logo que terminar este post vou-me calçar, apanhar o metro e rumar pra lá. A Sara é uma das minhas preferidas e estou mesmo bem ansioso. Se ela tocar Dam Bô ja não sei mais...!

Saturday, November 21, 2009

Nelson Freitas

Nelson Freitas It’s been awhile since we’ve had a good kizomba playing here at the Lounge, the ones that remind you of dancing the nights away at those huge family parties back home. And there might be no one better to fill that void than Nelson Freitas, the Cape Verdean kizomba king and owner of the legendary Miss Jane Records. Go to Luanda, Benguela, Praia, Maputo, Lisbon, Bahia,and Lusophone Africa Diaspora gatherings all around the world and you’ll hear Freita’s records being played. His kizombas are modern and polished, usually sung in Portuguese, English, or Creole, and highly addictive. When the lights dim and the DJ puts on a Nelson Freitas jam, you know it’s time to grab that girl/guy you’ve been staring at all night and have a proper tarrachinha. Included here are my three favorite tracks from Nelson’s iconic album Magic: You’re Beautiful, Só Mi Ku Bo featuring To Semedo (the most played kizomba on my iPod) and Bo é Kel Amjer. Quality kizombas for a Friday night.

You're Beautiful
So Mi Ku Bo
Bo E Kel Amjer

Faz tempo que não toca um bom kizomba aqui no Lounge, daqueles mesmo a sério que fazem lembrar as farras lá em casa em Luanda no tempo das férias, quando ja não se tem mais espaço no quintal para toda a familia dançar. Para colmatar esta lacuna, não ha melhor que Nelson Freitas, o rei da kizomba e dono do label Miss Jane Records. Vai para Luanda, Benguela, Lisboa, Bahia, Praia, Maputo, ou qualquer festa da diaspora angolana ou caboverdiana pelo mundo afora e é possível ouvir as músicas deste artista. Como diz o meu primo Victor, “esse gajo é feiticeiro!”. É que as kizombas de Nelson Freitas são mesmo boas. Viciantes, até. O som é moderno e multilingual, ja que ele canta em crioulo, português e inglês. Quando as luzes baixam de intensidade e o DJ bota Nelson Freitas na aparelhagem, todo mundo ja sabe que é tempo de ir buscar aquela garota que estiveste a olhar de esguelhas a noite inteira e convidar-lhe para uma tarrachinha como deve ser. Incluídas aqui estão as minhas três kizombas preferidas do album Magic: You’re Beautiful, Só Mi Ku Bo (a kizomba mais tocada no meu iPod) e Bo é Kel Amjer. Kizombas de qualidade para uma sexta-feira que promete.

Nelson Freitas on Myspace
Buy his music on iTunes!

Friday, November 20, 2009

CéU, Remixed

CeUJust look at her. Sexy, cool, in control. She took the world by storm in 2007 with her electrifying mix of jazz, electronica, pop, and contemporary Brazilian music. Here in the States her debut album played in Starbucks all across the country, getting her an instant legion of fans. That memorable first album of hers, featuring the cover photo of her peeking at us coyly from behind her bare shoulder, earned her several Grammy nominations, including Best Contemporary World Music Album and a Latin Grammy Nomination for Best New Artist. In between her self-titled debut and her sophomore effort Vagarosa (coming soon to the Lounge), CéU released a digital-only remix album featuring some of the most alluring songs from her first album, including Roda, Rainha, and Malemolência. Featured here is a sparsely arranged, sensual version of Lenda remixed by Eidetaker, a remix that allow’s CéU’s stunning voice to shine in all its velvet glory; then there’s the lively, rare Mark de Clive Lowe Remix of Rainha which is a refreshing departure from the more subdued but equally captivating original. Press play and enjoy.

Lenda (Eidetaker Encanto Mix)
Rainha (Mark de Clive Lowe Remix)

Olhem só para ela. Sexy, cool, em controle. Em 2007 fez com que o mundo procurasse em vão superlativos para descrever a música dela, uma mistura única entre electro-pop, jazz, electronica, e música contemporânea brasileira. Aqui nos States, o seu primeiro álbum tocava incansávelmente em todos os Starbucks espalhados pelo continente – ela foi a primeira estrangeira a ser tocada no label deste café-bar americano. Ganhou uma legião de fans espalhados pelo país. Mesmo gente que não estava acostumada a ouvir música brasileira tinha uma minima ideia de CéU, a “cantora do Starbucks”. Aquele primeiro album dela, em que na capa ela aparece a nos olhar de esguelhas sobre o seu ombro nu, foi nomeado para vários Grammys, incluindo Melhor Album Contemporâneo de World Music, e para os Grammys latinos ela foi nomeada como Melhor Nova Artista do Ano (Best New Artist). Mas entre o lançamento do seu primeiro album e o seu terceiro, de nome Vagarosa (brevemente no Lounge), a CéU lançou um album de remixes só em formato digital, com alguns dos mais deliciosos temas do seu primeiro disco, tal como Lenda, Malemolência, e Roda. Mas talvez o melhor remix do album é Lenda, destacada aqui no Louge. O remix é uma versão minimalista da original, em que a voz de CéU é dada um protagonismo redobrado ao som de um jazz simples e moderno. Ja o remix da canção Rainha, também incluído aqui, é um pouco mais mexido que o original, mas continua fiel ao mesmo. Carregue no play e disfrute.

CéU's Official Myspace
CéU's Official Website

Wednesday, November 18, 2009

Stereo Maracanã

Mauricio Pacheco, Stereo MaracanaComprised of Mauricio Pacheco (Comfusões), Bruno Pé de Boi, Jovem Cerebral, Biguli, Ruvicio Gomes and Pedro D-Lita, Stereo Maracanã’s sound is as diverse as their line-up. When you experience the blast of sound that comes from your headphones/stereo, you’ll realize that their vibe can best be described as an eclectic mix of hip-hop, funk, afro-beat, reggae, and capoeira polished with superior electronic programming by our well-known Mauricio Pacheco, who is no novice on the mixing tables. Stereo Maracanã are from Rio de Janeiro and proud of it. Their sound is grimy and real, and their lyrics are socially conscious, strongly so. Their message is one for the masses, and they love to speak out against social exclusion, social injustice, and inequality in the distribution of wealth, themes that any visitor to Rio will readily recognize. Included here is their hit Freestyle Love, a song I'm currently addicted to, as well as the anthem Sou Local and the mellower Esta É Uma Historia – listen to the lyrics and bob your head to the sound of Rio's pulse.

Freestyle Love
Sou Local
Esta E Uma Historia

Composto por Mauricio Pacheco (Comfusões), Bruo Pé de Boi, Jovem Cerebral, Biguli, Ruvicio Gomes e Pedro D-Lita, o Stereo Maracanã é uma banda com um estilo tão diverso como os seus integrantes. Quando ouves pela primeira vez o som estonteante desta banda pelos teus headphones, ou melhor ainda, por via do teu stéreo, deparas-te com uma mistura ecléctica de hip-hop, funk, afro-beat, reggae, e capoeira, toda ela vestida de uma produção electronica feita pelo nosso ja conhecido Mauricio Pacheco, que como sabemos ja é craque nessas matérias de mixagem. O Stereo Maracanã é orgulhosamente carioca. O som deles é original, funky, e verdadeiro; as suas letras são de carácter altamente social. A sua mensagem é contra o racismo, a exclusão social, e a exploração dos mais fracos, coisas que qualquer visitante ao Rio vê a olho nu. Mas de vez em quando tambem gostam de kamasutra, como hão de descobrir caso oiçam com atenção a letra de Freestyle Love, uma das suas músicas mais emblemáticas. Incluídas aqui estão tambem as canções Sou Local e Esta É Uma História, outro som que merece uma escutadela com atenção. ‘Press play’ e sintam a pulsação das ruas do Rio.

*All songs featured in their debut CD, Combatente, which also features a song with Angolan Big Nelo.

-Photo by Humaita Pra Peixe

Stereo Maracana on Myspace
Buy their CD Combatente

Monday, November 16, 2009

Thievery Corporation Featured on Current TV's Embedded

Kristal from Current TV sent me this interesting clip about Thievery Corporation, a "band" I love. If you like this band it is really worth a look – this extensive video explores Thievery’s psyche, their love for the great city that is Washington DC, and how they feel their music, city, and even their food. Towards the end there is also a short blurb on Amanda Palmer’s “Twitter Concert” (she let her fans know of an impromptu concert via Twitter an hour before the event) and a surprise Delta Spirit performance aboard a San Francisco trolley.

Kristal, uma funcionária da cadeia de televisão independente e progresista denominada Current TV, mandou-me este video bastante interessante sobre a minha banda preferida, os Thievery Corporation, formado por Rob Garza, Eric Hilton, e a sua legião de músicos acompanhantes. Para quem goste e tambem para quem não conhece este duo da capital americana, cidade que me acolheu durante largos anos de infância e juventude, este video será muito útil. Fala sobre o que é o Thievery, o porquê das suas músicas, o seu amor por DC, as suas opiniões políticas, e até um pouco sobre um restaurante bastante concorrido que o Eric Hilton abriu em DC. Mais adiante no video ha uma pequena menção a um concerto relâmpago que a artista Amanda Palmer promoveu usando só o Twitter (ela só mencionou o local do concerto uma hora antes do mesmo começar), e no fim ha um concerto surpresa pela banda Delta Spirit à bordo de um trolley em São Francisco.

Late Nite Lounge Vol 2: 3 Sultry Tracks For Sleepless Nights

South Beach, MiamiThe second installment of Late Nite Lounge marks my return to Boston after a quick weekend trip to Miami sans laptop. My brother had no idea I was coming so it was a nice surprise. We cruised around South Beach in a little Corolla, taking in the sounds, the sights, the ambience, the abundance of palm trees and the ubiquitous sunlight. The following three songs are partly inspired by South Beach and Miami.

Que Pasa, by Buika (Eq.Guinea/Spain) – Buika epitomizes sultriness like no one I’ve ever seen. This beauty from Equatorial Guinea has a voice to match her stunning looks, and this track is just a teaser ‘til she gets a proper write-up in the coming days.

I Found You, by Samantha James feat. Celso Fonseca (US/Brazil) – This Brazilian-tinged track from LA-based dance musician Samantha James is given extra Brazilian authenticity with subtle acoustic guitar riffs and Celso Fonseca’s vocals.

Blanket, by Urban Species feat. Imogen Heap (UK) – I just recently started listening to these two talented British music acts: Urban Species, the hip-hop group from Tottenham, and Imogen Heap, the Grammy-Nominated electronica singer/songwriter with that killer voice. Blanket is one of my favorite songs at the moment, especially on sleepless nights waiting for the red-eye flight.

Que Pasa
I Found You

A segunda versão da série Late Nite Lounge marca o meu regresso a Boston após uma fugida rápida para Miami, onde visitei o meu puto Joel por ocasião do aniversário dele. Ele não tinha a mínima ideia que iria pra lá por isso a surpresa foi muito agradável. É por isso que servem os irmãos. Passamos o sábado a passear por South Beach no meu Corollazito, apreciando os sabores, as cores vibrates, as palmeiras, a brisa do mar, o sol que saiu em força. As seguintes três canções foram parcialmente inspiradas pelo ambiente de South Beach em particular e Miami em geral.

Que Pasa, por Buika (Guiné Equatorial/Espanha) – A Buika é a sensualidade em pessoa. Esta beldade do pequeno e esquecido país centro-africano de nome Guiné Equatorial reside agora em Espanha e tem uma voz que iguala a sua beleza natural. Esta canção é só um ligeiro aperitivo, porque daqui a dias a Buika fará a sua estreia no Caipirinha Lounge.

I Found You, por Samantha James feat. Celso Fonseca (US/Brasil) – Esta canção feita por Samantha James, artista de musica dance radicada em Los Angeles, é um pouco abrasileirada com a presença súbtil da guitarra acústica e a participação de Celso Fonseca, que aqui canta em inglês.

Blanket, por Urban Species feat. Imogen Heap (UK) – Só recentemente é que comecei a prestar mais atenção ao Urban Species, grupo de Hip Hop inglês, e a Imogen Heap, cantora e compositora de renome no mundo musical das terras da Sua Majestade. Blanket é uma colaboração entre os dois e ultimamente não tem deixado o meu iPod, principalmente em noites em branco à espera do próximo avião com destino a Boston.

Photo: South Beach, by Jmannikko

Wednesday, November 11, 2009

11 de Novembro, Dia da Independência de Angola

It's Angola's 34th birthday, and 34 is quite the random number, so I'll keep things light and leave the socio-economic discussions for another day. For now, I’ll let these two great, emotional songs by Matias Damasio and Waldemar Bastos speak for themselves. To all the Angolans in the Diaspora who miss their funge, to everyone living in Angola who misses those living abroad, to everyone that has had an Angolan touch their lives, happy Independence Day, and Viva a Paz (Peace).

**If Waldemar Bastos’ epic song doesn’t make you want to go to the stadium on the 14th and 18th of Nov. to watch the Palancas Negras against the Congo and Ghana’s Black Stars, I don’t know what will. Viva os Palancas! The CAN is just around the corner…

Angola (Pais Novo)

Hoje Angola faz 34 anos. Como 34 é um número um tanto quanto sem brilho (boring), vou manter este post leve e divertido. Deixemos as avaliações socio-económicas e políticas para outros dias. Por hoje, vou deixar estas duas músicas lindas e emotivas de Matias Damasio e Waldemar Bastos falarem por si. Para todos os angolanos na diáspora que sentem saudades do funge, para todos angolanos em Angola que sentem saudades dos que estão fora, pra todos aqueles que alguma vez tiveram uma experiência positiva com um(a) angolano(a), feliz Dia da Indepenência, e Viva a Paz.

*Se esta música do Waldemar Bastos não vos faz pular da cadeira e assegurar os bilheres para os jogos dos dias 14 e 18 contra o Congo e contra os Black Stars do Gana, então não sei mais. Vão ao estádio e apoem a equipa, Viva os Palancas! O CAN está próximo...

-Photo: Rua da Paz, Ondjiva, Cunene, by zecarlos/unroyal

Tuesday, November 10, 2009

Coming Soon: Caipirinha Lounge Interview with Keita Mayanda, the Man and the Artist

Keita MayandaTo tide you over until then, here is that intro to his CD that I spoke so fondly about. Let the words sink in, and if you don’t understand Portuguese, feel the essence of the music and it’ll do the trick, at least somewhat. I’ll do my best to translate the interview into English as well.


Em Breve: Caipirinha Lounge Entrevista Keita Mayanda, o Homem e o Artista

Ate lá, aqui vai a Intro do seu CD, que mesmo em si já é uma demonstração de acutilância verbal e profundeza mental. Se o Artista ja é assim, podem estar convictos que o Homem tem algo a dizer. A entrevista promete...

Sunday, November 8, 2009

Samba, meet Semba

Paulo FloresSemba is one of the musical grandparents of samba. The former originated in Angola and is the music of choice of many of Angola’s musical heavyweights, such as Bonga, Carlos Lamartine, Ciros Cordeiro da Mata, and more contemporary artists such as Yuri da Cunha, Bangão, and Banda Maravilha. Samba is the much more famous grandson of semba, an integral part of Brazil’s national identity and its genre of choice. In this particular track, Kappopola Makongo, producer Moreno Veloso gives a samba beat to Ciros Cordeiro da Mata's famous semba lament, and it seems that the two were made for each other. Paulo Flores provides the vocals in this interesting meeting between semba and samba.

Kappopola Makongo

O semba é um dos avôs do samba. O primeiro originou em Angola e é um dos ritmos com mais profundidade e particularidade no rico historial musical angolano. Artistas como Bonga, Carlos Lamartine, Ciros Cordeiro da Mata, e os mais contemporâneos Yuri da Cunha, Bangão, e a Banda Maravilha fazem do semba o seu ganha pão e a sua forma de se exprimir. Já o , que mundialmente é muito mais famoso que o semba, é uma parte integral da identidade brasileira. Na canção acima, Kappopola Makongo, o productor Moreno Veloso reinterpreta o velho lamento de Ciros Cordeiro com o ritmo do samba, e ate parece que foram feitos um para o outro: a música funciona de excelente maneira. Paulo Flores oferece a sua voz neste interessante encontro entre o semba e o samba.

*From the album Comfusões/Do album Comfusões

-Photo: Paulo Flores at the Luanda Jazz Festival, by zecarlos/unroyal

Fany Mpfumo, the King of Marrabenta

Fany MpfumoUm pouco mais de uma semana atrás passou-se o seguinte diálogo entre o Caipirinha Lounge e os 340ml:

CL: Qual é o vosso artista preferido moçambicano, e porquê?
Tiago, 340ml: Fany Mpfumo, porque ele era realmente um artista. Ele representou e ainda representa o Moçambique bem melhor que todos os que tentam representar-lo.

Não sabendo nada acerca do proclamado Rei de Marrabenta, decidi dar uma espreitadela ao Google para ver o que encontrava, e deparei-me com isto (clique na imagem para ampliar):
Incluída aqui esta a canção King Marracuene, que faz parte do seu ablum intitulado Nyoxanini. Nunca antes tinha ouvido um marrabenta ‘old-school’ como este, ou qualquer canção neste estilo, pra ser sincero (sem ser um pouco de Mabulu), mas gostei do que ouvi. Com essa voz, vê-se que Fany Mpfumo tinha estatuto. Bem haja.

King Marracuene

This exchange was from the interview CL had with 340ml a bit more than a week ago:

CL: Who is your favorite Mozambican artist and why?
Tiago, 340ml: Fany Mpfumo, because he really was an artist. He represented and still represents Mozambique people better than anyone who tries to.

I’m not familiar with Fany Mpfumo or any of his music, so that got me very curious. After snooping a bit on Google here’s a short story I found about the ‘King of Marrabenta”:

In English:
Time went by rapidly – it was already 1947. At age 17, Fany (his real name was Fernando) decides to go on an adventure. With little more than his dream to become a musician, he sets out to South Africa on foot. Once there, he becomes an entertainer in the residential compounds of the magaizas (name given to Mozambican workers and workers from other southern African countries), giving his audience a taste of the distant lands they had left behind. Soon Fany buys his own guitar and shortly thereafter is approached by a Boer who works for the label His Master’s Voice and specializes in finding new talent among the immigrant working population. He decides to sign Fany Mpfumo. When Mpfumo’s first CD reaches Lourenço Marques (Maputo), people kept their chiphefos (rudimentary kerosene lamps) on to ward off the darkness and to “hear that kid who plays so well.” The needles for the gramophones quickly sold out before people were even able to quench their thirst for Fany Mpfumo. Georgina, Uxongi Njhani (You’re So Beautiful) and many other songs by Mpfumo became regulars at parties and festivities in Lourenço Marques and other cities throughout the country. By 1955 Fany had two radio shows in South Africa targeted at its black population, and was an in-demand artist throughout both countries.

Included here is King Marracuene, one of his vintage tracks, from the album Nyoxanini. I haven’t heard old school marrabenta before, or much marrabenta for that matter (besides the old Mabulu), but wow do I like his vibe. Fany’s leathery voice is quite unique and one can begin to understand why he had the successes he did.

-Article excerpt found here/Historia e fotos encontradas aqui.

Late Nite Lounge Vol 1: 4 Sexy Latin Soul Tracks For the After-Hours…

It’s late Saturday night; you just got back from some debauchery elsewhere and you’d like nothing better to just sit back, perhaps grab a drink or a glass of water, and relax. Maybe you have company and just want to sit and talk with him/her about nothing or about everything. Maybe you have a couple of close friends and want to create a late night vibe, low key and loungey but still enticing, like the conversation at hand. These four songs set the mood perfectly, and they also give me an excuse to post songs that I love and have been yearning to share with you but aren’t necessarily in Portuguese...

Siempre Me Quedará, by Bebe (Spain) – This was one of the first songs that made me fall in love with electronica and lounge music. Bebe’s slightly raspy Spanish vocals and that acoustic guitar are an alluring combination.

I’ll Be, by Cibelle (Brazil) – Sensuous and seductive, I’ll be by Cibelle, the one of a kind Brazilian songstress that has been featured here before, is a gem of a song. Her singing these sweet nothings to me is my idea of a perfect late night session.

Chiquilines, by Bajofondo feat. Lágrima Rios (Argentina/Uruguay) – My appreciation for Bajofondo is well documented, and this particular track of theirs is particularly soothing whenever I find myself awake at 3am. It features vocals from the late Lágrima Rios, a black Uruguayan vocalist so popular in that country’s candombe scene.

Go Back, by Monica Freire (Brazil)Monica has a verse in this slow, gentle song in which she sort of just speaks, not sing, and it goes so well with the overall vibe of this piece. The piano arrangement and the faint, trippy beats that are barely audible make this a late night special for me.

Siempre Me Quedara
I'll Be
Go Back

É Sábado anoite, ou melhor, é madrugada de Domingo. Acabas de chegar duma noite mexida algures, cançado mais feliz pela noite bem passada. O que apetece mesmo é um copo de água ou talvez outra bebida, para terminar a noite. Se calhar voltaste a casa com compania e apetece conversar sobre tudo e mais um pouco ao som de música suave e sofisticada. Se calhar voltaste a casa com alguns amigos e amigas e queres proporcionar um abiente low-key, low-profile, calmo e suave, sem muito stress e barulho à mais. Algo onde ainda é possível ter uma conversa decente e apreciar a música ao mesmo tempo. Os quatro sons postos aqui satisfazem este desejo. Não são necessáriamente em português, mas pelo menos dão-me uma desculpa de partilhar estas canções que gosto muito mas não tinha porquê postar. Até hoje!

Siempre me Quedará, por Bebe (Espanha) – Esta música é uma das razões que me apaixonei por música electronica e lounge. A voz um pouco rouca de Bebe, em espanhol ainda por cima, com aquela guitarra acústica ao fundo, é uma combinação quase que perfeita, só mesmo porque dizem que a perfeição não existe.

I’ll Be, por Cibelle (Brasil) – Sensual e seductora, esta canção linda da nossa ja conhecida Cibelle é cantado com aquele inlglês de sotaque ligeiro de quem fala português, e é um um som feito para noites em branco como esta.

Chiquilines, por Bajofondo com Lágrima Rios (Argentina/Uruguay) – A minha fãzice (como diz o meu puto Joel) pelos Bajofondo já está bem documentada. Este som deles, feito com samples da voz da falecida Lágrima Rios, uma das poucas cantoras negras do Uruguay e figura incontornável no que toca ao candombe urugaio, é visitante assídua do meu iPod (ou aparelhagem) quando ainda me encontro acordado as 3 da manhã.

Go Back, por Mônica Freire (Brasil) - Várias vezes nesta canção a Mônica Freire não canta mas sim fala, quase que rappa, e o efeito, para uma música calma e lenta como esta, é muito interessante. O piano e o contrabaixo fazem uma parceria comfortável e ao fundo ouve um beat ténuo. É a única música das quatro em que se fala português.

*Stay tuned for more next Saturday night/Volte para algo similar no proximo Sabado.

- Photo by BogusBrazilian

Mayra, Sara, Lura, or Cesária? Vote!

Mayra Andrade
For fans of Capeverdean music, 2009 was a fascinating year. Four of the country’s top divas, Mayra Andrade, Sara Tavares, Lura, and even the greatest of them all, Cesária Évora, released captivating albums that further cemented their credentials as exceptional musicians. Pick a song at random from any of those CDs and I bet they’d be splendid. Stória, Stória by Mayra Andrade had such gems as Turbulensa and Palavra, Sara’s Xinti with the beauties So d’Imagina and Di Alma, Lura’s Eclipse featuring Libramor and Terra’l, and Cesária’s Nha Sentimento highlighting the interesting fusion of Egyptian string instruments with morna in Sentimento. But which one was the best? Vote in the poll on the right!

Para os fãs da musica caboverdiana, o ano de 2009 foi esplêndido. Foi uma verdadeira montra da fina-flor da música deste arquipelago, em que as quatro principais “divas” do universo musical caboverdiano, a Mayra Andrade, a Lura, a Sara Tavares e até a rainha do morna, a kota das mais kotas, a Cesária Évora, lançaram quatro grandes CDs que foram muito bem recebidos pelos quatro cantos do mundo e cimentaram as suas posições no gênero que os americanos chamam “world music”. Aposto que se escolheres uma música ao calhas de qualquer um destes CDs, seria uma música de jeito. Stória de Mayra Andrade tem jóias como Turbulensa e Palavra, Xinti de Sara Tavares conta com So d’Imagina e Di Alma, o Eclipse de Lura tem aquela guitarra linda em Libramor e Terra’l também não fica atrás. E para finalizar, a fusão entre as guitarras egípcias e o morna na canção Sentimento de Cesária e bastante inovadora. Mas qual álbum foi o melhor? Vote na coluna ao lado!

UPDATE: Xinti won!

-Photo by Manuel Lino

Saturday, November 7, 2009

Breathtaking, Bliss, Beauty

Speechless. Watch it in full-screen.

let yourself feel. from Esteban Diácono on Vimeo.

Palavras pra que? Muito melhor visto em full-screen.

*The video was made by Esteban Diácono, while the song, Ljósið, is by Icelandic artist Olafur Arnalds.

*Video feito por Esteban Diácono, para a canção Ljósið, do artista islândes Olafur Arnalds.

Found here.
Encontrado aqui.

Friday, November 6, 2009


MarizaThis beautiful Mozambican-born songstress is without a doubt the new voice of fado and her current worldwide fame and her ability to sell out legendary concert halls the world over is a testament to her innate talent. She was born in Maputo, Mozambique, and raised in Mouraria, one of those traditional Lisbon neighborhoods that ooze old world charm and eloquence, a neighborhood very similar to the Almada district that first inspired Amália Rodrigues to sing fado like no one else could, or ever will (perhaps until now?). It’s as if Marisa dos Reis Nunes was destined to become a fado superstar. She learned to sing fado before she could even read, and her father played no small part in steering his daughter towards this sorrow-stricken but passionate genre. Although I greatly respect this style of music I’m not an avid listener of it, and not many fado artists have been able to captivate me. I have however been fascinated with Amália Rodrigues since the days my Dad used to play it in the car cassette player when we lived in Portugal, long ago – it is one of my earliest memories. Mariza’s voice is eerily similar to Amália’s, and unfortunately comparisons between the two are inevitable. What Mariza does quite well however, what gives this Luso-Mozambican her own identity as an artist of fado is how she brings it gracefully into the 21st century, incorporating rhythms from Brazil (where she lived for awhile) and her native Mozambique in a very subtle manner. The alluring song Transparente from her third studio album of the same name and inspired by her Mozambican grandmother is a great example of this, with is soft African drums and bass line. The real treat here is the previously unreleased track Terra E Água (courtesy of, a song that you won’t find in many other places.

If you are reading this from the States, you’ll be happy to know that tomorrow marks the beginning of Mariza’s tour through the US, as she begins in Berklee Performance Center in Boston (Nov. 7) followed by performances in Washington, D.C. (Nov. 8), Connecticut, Denver, and more – check her Myspace for dates and venues!

Terra e Agua - previously unreleased track

Esta fadista linda e de origem moçambicana é a nova voz do fado, e o facto de ela hoje ser conhecida pelo mundo afora e arrebatar com salas de concerto é uma boa indicação disto. Mariza nasceu em Maputo mas cresceu no bairro da Mouraria em Lisboa, um daqueles bairros típicos Lisboetas cheio de charme doutros tempos e onde se respira o fado, tal como o bairro Almada onde Amália Rodrigues descobriu este estilo de música. Este é um facto importante, ja que não sei de mais ninguém que cante o fado da maneira que estas duas o fazem. Mariza cantou o seu primeiro fado aos cinco anos quando ainda não sabia ler, e sendo o pai dela um grande fã deste estilo musical, o seu destino era só um. Sou o primeiro a admitir que não oiço muito o fado nem sou um fã assíduo, mas diga-se de passagem que qualquer um rende-se a qualidade de um bom fado. É quase impossível não se render a beleza destas vozes. Uma das minhas primeiras memórias enquanto puto recém chegado à Portugal era ouvir músicas de Amália Rodrigues no toca-cassetes do carro do meu kota. Ate hoje, só a voz de Mariza se compara com a voz e o estilo único da rainha do fado, e infelizmente, sendo as duas cantoras diferentes, comparações entre elas são simplesmente inevitáveis. Mas o que distingue a Mariza é que ela faz um fado um tanto quanto contemporâneo, um fado para o século 21. Mais ainda, ela incorpora subtilmente influências brasileiras (país onde ela viveu por 6 meses em 1996) e influências moçambicanas, principalmente na linda (linda!) canção Transparente, inspirada pela sua avô moçambicana e onde se ouvem leves batuques africanos. A outra canção incluída aqui nunca foi posta a venda por esta fadista, por isso encontrá-la noutro sítio será díficil (a não seja que vá ao site do Trata-se do lindo fado Terra e Água, e é uma delicia de se ouvir.

E para quem está a ler isto a partir dos States, é com grande alegria que descobri hoje que Mariza estará em Boston amanhã (7 de Nov.) e em Washington, D.C. no dia seguinte, e também em Connecticut, Denver, Houston, etc – confirem o seu Myspace para mais informações, datas, e cidades.

-Photo by Volume12

Mariza online
Mariza's Myspace
Her albums are available wherever albums are sold, including iTunes

Conheço-Te De Algum Lado?

Do I know you from somewhere?

*Single do novo album de Bob da Rage Sense
*Single from Bob da Rage Sense’s new album.

Thursday, November 5, 2009


Sara Tavares Xinti TourThere are a number of things going on around the world today and for the rest of the weekend regarding Lusophone artists. As I found out from commenter Olavio di Txada earlier this week, Ferro Gaita are back in Europe and will perform in Oslo, Norway tomorrow, for the Oslo World Music Festival. It’s nice to see Cape Verdean music heating up faraway lands like Oslo. Yuri da Cunha continues to tour Europe with Ramazzotti; he was just in Budapest, Hungary and the Hungarians liked what they saw.

Hoje a noite ha show de Suzanna!

But if you live in Luanda, here are two important bits of news: Suzanna Lubrano will be performing live tonight at Cine Atlantico in a concert starring Yola Semedo, Johnny Ramos, Loony Johnson, and others; and if you’re a jazz aficionado, head over to Hotel Trópico on November 13th and 14th to see the American Joshua Redman perform live with Aaron Goldberg, Gregory Hutchinson and Reuben Rogers for what promises to be world class jazz at an intimate setting.

And for those who live in California, or greater North America for that matter, Sara Tavares is in the country! She kicks off the North American leg of her tour TONIGHT with a performance in L.A. at the Skirball Cultural Center, followed by concerts in San Francisco tomorrow (Friday) and Turlock on Saturday. Before a trip north to Calgary on November 10.

Bob Da Rage Sense: Diários de Marcos Robert

Diarios de Marcos Robert, Bob da Rage SenseWho is Marcos Robert?

“Marcos is a gay man in San Francisco, a negro in South Africa, an Asian in Europe, hispanic in San Isidro, an anarchis in Spain, a palestinian in Israel, a native in the streets of San Cristóbal, a punk rocker on campus, a jew in Germany, a feminist in a political party, a comunist left over from the cold war, a pacifist in Bosnia, an artist without a galery or a portfolio, a stay at home mom on a Saturday afternoon, a journalist on the unread pages of the newspaper, a woman on the metro after 10:00pm, a farmer without land, a marginal editor, an unemployed factory worker, a doctor without a practice, a writer without books or readers, and above all, a Zapatista in Southwestern Mexico. Basically, Marcos is any human being on the planet. He is the oppressed, resistant, exploited minority that is fed up with it all. He is the minority that is yearning to speak up and the minority that decides to shut up and tough it out. Anything that bothers people of good conscience, that’s Marcos.”
-Bob Da Rage Sense

Who is Bob da Rage Sense?

Robert Montargil da Silva’s artistic name reflects the three musicians that had the most influence in his life, thoughts, and music: Bob Marley, Rage Against the Machine, and Common Sense (now known simply as Common). Born to a Luanda under communist rule in 1982, from a young age he was exposed to his father’s expansive collection of Bob Marley records and Wailers tracks. As he grows up, he starts listening more and more to Rage Against the Machine, but he found his true calling in the spoken words of Common. Perhaps that’s why his songs are so...uncommon. He has an uncanny ability to turn hip-hop into a fusion of soul and jazz, where his emotions and frustrations with the world around him break through. His style reminds me of Talib Kweli, his vibe is definitely conscious rap, like Ikono and Keita Mayanda. There is something about Angola that enables it to produce rappers of this quality, even though Bob has lived in Portugal for large parts of his life. But it is a growing testament to the raw talent in that country.

My cousin Delfim Anderson is responsible for introducing me to Bob’s work back in the day, with Bob’s debut album Bobinagem, but it was his second album, M.P.L.A. (Menos Pão, Luz, e Água – a pun on the initials of Angola’s ruling party) that touched me the most. There are two songs from that album featured here: Hora da Mudança, featuring Angolan artist Lawilka, and P.A.L.O.P. You can tell Bob da Rage Sense likes some soul vibes in his raps, and listening to Hora da Mudança is like listening to a poem at a Slam Poetry Jam session or an anthem for the oppressed. P.A.L.O.P. featuring artists Dino and Salvaterra, is a strong-worded, powerful, and heartfelt appeal against the colonial and neo-colonial exploitation of the ‘Third World’, especially the African population under Portuguese rule.

But what has recently gotten my attention with regards to Da Rage Sense is how he is blowing up all over the Angolan hip-hop blogosphere – the man in is coming out with a new album, titled Diário de Marcos Robert. Big names in Lusophone rap have worked with him on it, including Angolan Laton from Kalibrados and Portuguese star Sam the Kid. Featured below are two promo tracks from said album. Nunca Estiveste Na Minha Pele is an slightly depressing account of his life as a kid born into poverty in Luanda and his subsequent move to Lisbon. On the other hand, Conheço-Te de Algum Lado, featuring New Max, is a special fusion of hip-hop, soul, and jazz and one of the best tracks Bob has recorded to date. The last two minutes of the song are nothing but a saxophone and a beat, and that’s all it needs. On November 11, Angola’s Independence Day, buy the album on iTunes.

Hora da Mudanca

Diario de Marcos Robert
Nunca Estiveste Na Minha Pele
Conheco-Te De Algum Lado

Quem é Marcos Robert?

"Marcos é gay em São Francisco, negro na África do Sul, asiático na Europa, hispânico em San Isidro, anarquista na Espanha, palestiniano em Israel, indígena nas ruas de San Cristóbal, rockeiro na cidade universitária, judeu na Alemanha, feminista nos partidos políticos, comunista no pós-guerra fria, pacifista na Bósnia, artista sem galeria e sem portfólio, dona de casa num sábado à tarde, jornalista nas páginas anteriores do jornal, mulher no metropolitano depois das 22h, camponês sem terra, editor marginal, operário sem trabalho, médico sem consultório, escritor sem livros e sem leitores e, sobretudo, zapatista no Sudoeste do México. Em suma, Marcos é um ser humano qualquer neste mundo. Marcos é todas as minorias não toleradas, oprimidas, resistentes, exploradas, que dizem Basta! Todas as minorias na hora de falar e maiorias na hora de se calar e aguentar. Tudo que incomoda o poder e as boas consciências, esse é Marcos."
-Bob da Rage Sense

Quem é Bob da Rage Sense?

O nome artístico de Robert Montargil da Silva reflecte as suas maiores influências musicais, nomeadamente Bob Marley, Rage Against the Machine, e Common Sense (hoje mais conhecido simplesmente como Common). Nascido em Luanda em pleno 1982, tempo do partido único, foi desde cedo exposto a colecção musical extensa do seu pai, onde predominavam trabalhos discográficos de Bob Marley e os Wailers. Enquanto crescia começou a ouvir com mais atenção os Rage Against the Machine, mas foi nos raps de Common onde ele se reviu. Se calhar é por isso que o seu estilo de hip-hop é incomum. Ele tem uma maneira peculiar de fundir o seu rap com elementes de soul e jazz, o que se adequa mais com a sua forma emotiva de sentir o hip-hop. Ha algo que me faiz lembrar Talib Kweli nos seus raps, e a sua vibe inevitavalmente traz comparações a outros nome deste particular movimento de hip-hop nacional, tal como o Ikono e Keita Mayanda. Não sei se está na poeira ou na água, mas ha algo no nosso quotidiano que nos faz ter rappers desta qualidade, não obstante o Bob agora passar a maioria do seu tempo na Tuga. Mas é motivo de orgulho ter artistas desta qualidade que vêm mesmo la da terra.

Tenho quase a certeza que um dos primeiros a me introduzir ao trabalho de Bob da Rage Sense foi o meu primo Delfim Anderson, quando me fez escutar músicas do album Bobinagem. Mas o album que até agora me marcou mais foi M.P.L.A. (Menos Pão, Luz, e Água). Ha dois sons deste album postados aqui: Hora da Mudança feito com Lawilka, e P.A.L.O.P. (Pretos Africanos de Língua Obrigatória Portuguesa). Quando se ouve Hora da Mudança, vê-se logo que o Bob gosta de soul e poesia nos seus raps, e que foi mesmo influenciado pelo Common. Ja o P.A.L.O.P., com participações de Dino e Salvaterra, é mais pesado, vê-se logo pelo título. É um manifesto contra a grosseira exploitação dos que têm poder sobre os que não o têm. É contra a escravatura, a neo-colonização africana, e a perca de cultura entre os povos africanos por causa de 500 anos de opressão.

Nos últimos dias tenho visto uma explosão de menções sobre o Bob pela blogosfera de hip-hop angolano, e isto chamou-me atenção. Foi com alegria que soube por estas ilustre fontes que o mesmo vai lançar o seu terceiro CD em menos que uma semana, o muito esperado Diários de Marcos Robert. Como fazem cá nos states, ha que criar expectativa e ‘hype’, porque a coisa promete. Mas porque a ementa principal só estará disponível dia 11, aqui vai a entrada: duas músicas do album para consumo imediato. Nunca Estiveste Na Minha Pele é a odisseia da vida de Bob retratada num rap, e Conheço-te De Algum Lado, com participação de New Max, é uma das melhores músicas dele feitas até agora. É uma fusão interessante de rap, soul, e jazz, onde os últimos dois minutos do som são somente um saxofone e o beat. Dia 11 de Novembro, mais conhecido como o Dia da Independência de Angola, vai ao iTunes, se estiveres em Luanda vai aos locais habituais (a Madtapes esta a lançar o CD) e compre o mambo. Ha que valorizar o que é bom na vida.

Bob da Rage Sense on Myspace
Bob on Amazon

Wednesday, November 4, 2009


VertenteIt’s starting to get dark here in Boston at around 5pm, and it’s not a happy sight. It signals the rapid approach of the infamous Boston Winter, which is also not a happy sight, unless piles of snow, frigid temperatures and tear-inducing, howling winds are your kind of thing. But when I put Vertente on the stereo, the funky hand claps and the Brazilian vocals of the song Tanto Tempo give me the luxury of pretending that the howling sound outside isn’t really the wind. The slinky cool vibe of the song Chuva allows you to let your mind wander to a sunnier, brighter place despite its title literally translating to “Rain” in Portuguese. Vertente is another Brazilian flavored offering from the label Far Out Recordings, which is also responsible for the sexy sounds of Sabrina Malheiros and the late night jams of Marcos Valle. They’re based in London and made up of Davide Giovannini and Neil Angilley, part of a growing contingent of Europeans enamored by the sounds of Brazil. It’s hard for them not too…London winters aren’t very fun either.

Tanto Tempo

O anoitecer aqui em Boston agora começa por volta das 17 horas, o que significa que o monstro que é o Inverno de Boston esta prestes a chegar. O Inverno de Boston não é lá muito acolhedor, menos para aqueles que gostam de temperaturs geladas, ventos que fazem chorar, e montes após montes de neve. Como diz o Rey Webba na música Camanga, “só o bambi! ‘Ta dar nos ossos!” Mas felizmente, sempre que ponho a banda Vertente na aparelhagem o cenário muda um pouco. Ou, pelo menos, posso fingir que sim. É díficil não pensar em praias, areias quentes e caipirinhas quando se ouvem os ritmos tropicais brasileiros e a voz cristalina de Gara. E a boa vibe do som Chuva faz lembrar dias ensolarados não obstante o seu nome. Vertente é mais uma banda com sabor a Brasil da label Far Out Recordings, que é a mesma label de artistas como Sabrina Malheiros e Marcos Valle. A banda esta baseada em Londres e é composta por Davide Giovannini e Neil Angilley, outro duo Europeo que se rendeu aos ritmos quentes e sensuais provenientes do Brasil. Mas pudera, com aquele inverno londrino, é díficil não se render...

*Songs posted here are from the CD Brazilian Love Affair 5, which can be purchased here.
*Estas musicas fazem parte do CD Brazilian Love Affair 5, que pode ser comprado aqui.

Far Out Recordings

Monday, November 2, 2009

A importância de se ter música boa no carro em Luanda

Em outros tempos a correspondente da BBC em Luanda era a Lara Pawson, repórter que eu gostava muito de ouvir e ler, não só na BBC como tambem no seu blog que infelizmente ja não é actualizado com frequência. Hoje em dia quem faz este papel é a Louise Redvers, repórter que não deixa créditos em mãos alheias se formos a julgar por este pequeno podcast. Ela não só fala do eterno trânsito caótico de Luanda, como tambem conta com a participação especial de...Yannick (Afroman). Bons gostos Louise, bons gostos.

Por isso está lançada a alerta: para quem vive em Luanda e frequenta este espaço, é melhor começar a encher os CDs virgens com as músicas deliciosas que tocam por aqui! Com Nha Sentimento na aparelhagem, a viagem entre a Mutamba e o resto da cidade é muito mais curta.

The importance of having good music in your car in Luanda

Some few short years ago BBC’s correspondent in Luanda was Lara Pawson, a reporter that I thoroughly enjoyed reading, not just on BBC’s site but also on her personal blog, which sadly is not frequently updated anymore. Today, BBC’s Luanda contact is Louise Redvers, who, if judging by this podcast in which she laments the state of Luanda’s chaotic, mind-boggling traffic, has very good taste in her Angolan hip-hop stars. She features none other than the most popular rapper in Angola, Yannick (Afroman), and even seems to know some of the lyrics. Job well done!

So here’s a friendly word of warning: If you live in Luanda and happen to frequent this website, do fill up your blank CDs with the beautiful songs posted here, because that trip from Talatona to Mutamba is a lot smoother if Nha Sentimento is playing on your car stereo :)

*Obrigado ao Bradt Guide pela alerta sobre este podcast.

Nha Sentimento, Cesária Évora's New Album

Nha Sentimento, Cesaria EvoraThe passage of time does wonders to music artists. For some reason listening to Nha Sentimento made me think of Keita Mayanda’s song A Idade da Razão, where he describes how it feels to grow older. The Barefoot Diva must be entertaining some of those thoughts at the moment. She is 68 now, and last year suffered a stroke; she’s watched with joy as artists that she has inspired in beautiful ways now follow in her footsteps and create alluring Cape Verdean music that is listened to the world over. Musicians such as Lura, Sara Tavares, Mayra Andrade, and Tcheka all speak in glowing terms about what this woman has done for Cape Verdean music and how she made them believe that they had something of value to offer the world.

If this album is any indication, Cesária Évora is feeling livelier than ever.Like a vintage wine, she's growing more complex and captivating as she ages. Her voice is now a bit more velvet but still instantly recognizable, and even though she is all about morna, in this album she explores the coladera rhythm, morna’s more upbeat cousin. Another refreshing aspect of her music in Nha Sentimento is the use of an Egyptian string section that gives some of the songs an intriguing Arabic feel that is a bit reminiscent of Souad Massi. It’s splendid really – the song Sentimento is a great example of this. It was hard selecting just three songs to put here, as I love hearing Cesária albums from start to finish, especially on Sundays like today that I really don’t want to do any work. Her songs take me to a calm, carefree beach and not the encroaching Boston winter, and they’re so soothing. Esperanca di Mar Azul is a case in point. Tchôm Frio, the last song here, is a lively coladera that not many people would readily associate with the mourning mornas of Cesária Évora’s other albums, and it's further evidence that growing older doesn’t have to be sad.

Esperanca di Mar Azul
Tchom Frio

É muito interessante ver como a passagem do tempo afecta aqueles que têm o dom de fazer boa música. Enquanto escutava Nha Sentimento, o novo album de Cesária Évora, lembra-va me daquela música de Keita Mayanda, a Idade da Razão, onde o mesmo fazia uma reflexão de como o andar do tempo o tem mudado. A Diva de Pés Descalços deve estar a ter tambem este tipo de pensamentos. Ja vai nos seus 68 anos de vida e no ano passado ate sofreu uma ligeira apoplexia. Mas ao longo da sua vida, ela tem sido testemunha do sucesso de vários artistas Caboverdianos que hoje são o que são graças ao trabalho que Cesária Évora tem feito para a divulgação da música linda e única destas ilhas. Músicos como Lura, Sara Tavares, Mayra Andrade, e Tcheka todos falam da inspiração que recebem desta mulher.

Mas se este album mostra algo, é que Cesária esta melhor que nunca. Tal como um vinho decente que amadurece e fica mais complexo com a idade, a diva mosta sinais de vitalidade e complexidade que so vêm de uma experiência como a dela. A voz dela esta um pouco diferente, e em vez dos seus mornas melancólicos, este album aposta muito mais na coladeira, que é mais mexida que o morna. Outra coisa interessante que ela fez com este album foi incorporar violas egípcias e outros instrumentes daquele país árabe, e o feito que isto teve nas suas músicas é belo. Faz lembrar a Souad Massi. Exemplo disto é a música Sentimento. Como sempre, foi dificil selecionar so três músicas para pôr aqui. Album de Cesária Évora é para se ouvir do príncipio ao fim, especialmente em domingos como este em que não apetece mesmo fazer nada. Músicas como Esperança di Mar Azul sempre me põem sereno e a imaginar prais longíquas e brisas quentes, e não o frio que se faz sentir cá em Boston com a inevitável vinda do inverno. E aqui o inverno não brinca. Por último inclui Tchôm Frio como exemplo das coladeiras mexidas de Cesária Évora. Quem disse que envelhecer tem que ser algo triste?

Nha Sentimento on Amazon
Cesaria on Myspace
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...